A conta ? do cidad

0
COMPARTILHE

Que vamos ouvir ‘choro’ de candidatos sobre as dificuldades financeiras para realização de campanha sem as doações de empresas, parece inevitável. Será parte do show. Mas, quem deve ‘chorar’ mesmo é o contribuinte, cuja conta será bem salgada neste 2016. E não apenas em razão dos R$ 819 milhões que nossos deputados e senadores garantiram no Orçamento da União para o Fundo Partidário.

O espaço reservado para a propaganda eleitoral no rádio e na televisão é chamado de “horário gratuito” porque os partidos e seus candidatos usam e nada pagam. A conta vai para o contribuinte. Este ano, a estimativa da Receita é de que chegue a R$ 576 milhões.

Vamos pagar mais de meio bilhão para ouvir os políticos, e isso porque as empresas de comunicação, que são obrigadas por lei a transmitir os guias e inserções, só podem pedir ressarcimento de 80% do que receberiam se vendessem o espaço para um cliente comum. E não recebem o valor em espécie. É para ser deduzido do imposto de renda.

Até aqui temos R$ 1,395 bilhão. E não estamos computando os custos da Justiça Eleitoral, mas apenas os dos partidos e da propaganda. Embora o período de campanha tenha sido reduzido de 45 para 35 dias, e os guias de 30 minutos para 10 minutos, todo ele para os candidatos a prefeito, os legisladores garantiram mais inserções na programação. Os candidatos a vereador terão direito a 70 minutos por dia.

Considerando a crise econômica, o desemprego, os problemas na saúde e na segurança, e o fato do governo propor mais impostos, não é fácil aceitar R$ 1,395 bilhão para manter partidos e seus filiados.

Sabemos que é importante para o aperfeiçoamento da democracia conhecer as ideias e os projetos dos candidatos e confrontá-los com os dos adversários antes de decidir o voto. É para isso que o contribuinte banca a conta. Contudo, geralmente o que temos é disputa de promessas que não serão cumpridas e muitos ataques aos adversários.

Em tempos de Lava Jato, de conscientização em relação a causa e efeitos, e de baixa credibilidade dos políticos, é recomendável valorizar esse caro espaço, qualificando o debate. Para que o cidadão não se recuse a continuar pagando a conta.

TORPEDO

“Muitos trabalhadores e aposentados estão incluídos no sistema do IR. São categorias que já recebem pouco, já pagam muitos impostos e recentemente ainda têm que prestar contas ao ‘Leão’. É preciso que haja uma revisão urgente dessa tabela.”

Do deputado Benjamin Maranhão (SD), defendendo atualização da tabela do IR, que segundo o Sindifisco Nacional acumula defasagem de 70%.

Dificil

Só teria um jeito dos governistas do PMDB evitarem a candidatura de Manoel Júnior a prefeito de João Pessoa, sem que ele desista e abra espaço para aliança com PSB: uma intervenção no Diretório Municipal.

Condições

Peemedebitas dizem que intervenção, que pode ser questionada no Diretório Nacional, não acontece sem apoio de José Maranhão, que está referendando Manoel, e sem o PSB abrir mão de importantes cidades.

Apoio por apoio

O PMDB tem meia centena de prefeitos e entre os que podem ser reeleitos estão os de Patos e Sousa, e é fortíssimo em Campina e Guarabira. Não brigariam pelo PSB sem ter o apoio de volta garantido.

Três opções

O líder Renato Gadelha, sobre opções do PSC em João Pessoa: “A preço de hoje, a única certeza que temos é que estaremos no palanque contrário ao PSB”. Admite apoiar Manoel Júnior, Luciano ou lançar nome próprio.

ZIGUE-ZAGUE

Os servidores do Fisco estadual vão parar nesta quarta-feira. Dizem que esperam uma audiência com Ricardo Coutinho desde 2011, para discutir perdas salariais.

Vão se concentrar no Centro Administrativo. Acham “inconcebível” que não queira receber aqueles que podem reverter a crise financeira pela qual passa o Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas