Agenda positiva ainda n?o resultou em melhora na avalia??o do governo, diz Ibope

0
COMPARTILHE

A agenda positiva apresentada pelo governo federal com o intuito de reverter as avaliações negativas da população ainda não surtiu efeito no resultado da Pesquisa CNI-Ibope divulgada nesta quarta-feira (1º) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). De acordo com o gerente de Pesquisa da CNI, Renato da Fonseca, é necessário tempo para que medidas como as do Programa de Investimentos em Logística e de planos voltados à safra, à agricultura familiar e às exportações se concretizem.

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

“Os efeitos da agenda positiva do governo provavelmente ainda não apareceram [na pesquisa] até porque eles ainda precisam ser concretizadas”, disse Fonseca ao comentar o levantamento. De acordo com a pesquisa, o governo Dilma Rousseff foi considerado ruim ou péssimo por 68% da população, em junho, quatro pontos percentuais acima dos 64% registrados em março. Já o percentual de pessoas que consideram o governo ótimo ou bom caiu de 12% para 9% no mesmo período. Segundo a pesquisa, 83% desaprovam e 15% aprovam a maneira como a presidente governa. Ainda segundo o levantamento, 78% não confiam na presidente.

Ao ter a avaliação de seu governo desaprovada por 68% da população, Dilma bate o recorde histórico da pesquisa, acima apenas dos 64% registrados em julho de 1989 durante a gestão de José Sarney e pelo seu próprio governo em março de 2015. De acordo com a série histórica, o governo mais bem avaliado foi o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em dezembro de 2010, quando 80% dos brasileiros avaliaram a administração como ótimo ou bom. “O ponto mais alto foi no segundo mandato do Lula, quando o país estava crescendo e havia crescimento do emprego formal e do acesso ao crédito”, disse Renato da Fonseca.

Para o pesquisador, ajustes fiscais são, em geral, medidas impopulares e podem tornar a situação ainda pior nos próximos meses. “Estamos no meio de um ajuste fiscal que está acirrando a crise. Se considerarmos que os entrevistados pensam no bolso [quando respondem às pesquisas], a questão econômica pode afetar a popularidade da presidente, uma vez que sempre que se faz um ajuste, aplicam-se medidas impopulares. O que se espera é que isso passe rapidamente. Por isso, o que o governo deve estar pensando agora é segurar a inflação para recuperar a popularidade.”

A pesquisa foi feita entre os dias 18 e 21 de junho, com 2.002 entrevistas feitas em 141 municípios. A margem de erro é 2 pontos percentuais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas