Alimentos sobem at? 21% no m?s e cesta b?sica acumula alta de 13% no ano

15
COMPARTILHE

O preço da cesta básica da cidade de João Pessoa subiu em média 1,38% no mês de dezembro, ficando o acumulado no ano de 2015 em 13,11%, segundo levantamento realizado pelo Instituto de Desenvolvimento Municipal e Estadual (Ideme). Dos produtos que compõem a cesta, os que apresentaram os maiores aumentos individuais foram: fígado bovino (21,17%), macaxeira (17,73%), beterraba (12,12%) e cenoura (11,94%).

Leia mais Notícias no Portal Correio

Além desses aumentos, a pesquisa do Ideme também registrou elevação de preços médios nos seguintes itens: legumes: abóbora, beterraba, batata-inglesa, cenoura e tomate (6,77%), raízes: inhame, batata-doce e macaxeira (5,92%), açúcar (5,18%), pão francês (4,05%), óleo de soja (2,19%), café moído (1,38%), margarina (0,53%) e feijão (0,20%). Os produtos que apresentaram quedas nos preços médios foram: frutas: banana e laranja (5,87%), arroz (1,06%), leite pasteurizado (1,03%) e farinha de mandioca (0,48%). Os preços médios da carne mantiveram-se estáveis.

Na pesquisa do Ideme é adotada a ração essencial mínima (cesta básica), definida pelo Decreto-Lei nº. 399, de 30.04.1938, que estabelece 13 produtos alimentares básicos (arroz, feijão, carnes, farinha de mandioca, café, pão, leite, açúcar, margarina, óleo de soja, legumes, frutas e raízes) e suas respectivas quantidades, passou a representar aproximadamente 40,10% do salário mínimo.

Com isso, o custo total da cesta básica em dezembro/15 foi de R$ 315,99. Portanto, um trabalhador que nesse período ganhou um salário mínimo de R$ 788,00 precisou trabalhar o equivalente há 88 horas e 16 minutos para adquirir sua alimentação individual. Uma família composta por quatro pessoas teria que dispor de R$ 1.263,96 para adquirir a alimentação básica.

Veja o vídeo abaixo:

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas