CG espera R$ 12 mi para solução emergencial contra seca, mas só terá R$ 7,7 mi

10
0
COMPARTILHE

A prefeitura de Campina Grande espera receber ainda este ano R$ 12 milhões em recursos federais para plano que garanta o abastecimento de água no município até a chegada da água da Transposição do Rio São Francisco. Segundo deputados federais, o presidente Michel Temer (PMDB) teria garantido R$ 7,7 milhões inicialmente.

Leia também: Transposição está mais de 90% concluída e água chega até abril, diz ministro

De acordo com o secretário de Obras de Campina Grande, André Agra, o montante será utilizado somente na medida em que a crise hídrica se agrave. “Elaboramos esse conjunto de medidas emergenciais porque precisamos de um plano B caso a situação piore, mas a intenção é não precisar usá-lo”, diz.

O pedido de suporte federal ao projeto de enfrentamento à seca foi enviado ao Ministério da Integração Nacional. Ao Portal Correio, o órgão informou que o plano está sendo analisado pela equipe técnica. O ministério não indicou previsão para liberação da verba, mas a prefeitura de Campina Grande espera que receber os R$ 12 milhões até o fim de dezembro.

Deputados federais e senadores da Paraíba se reuniram com o presidente Michel Temer e com o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, para tratarem sobre a crise hídrica no estado. Os políticos saíram do encontro com a garantia de que terão recursos da ordem de R$ 7,7 milhões que serão utilizados em obras emergenciais.

“O ministro Helder Barbalho garantiu que a outra parte dos recursos poderá vir do PAC – Plano de Aceleração do Crescimento. Esse canal seria o mais curto de todo o programa e terá 20 quilômetros de extensão, interligando o rio Piancó até o sistema Coremas/Mãe D’água”, disse o deputado federal Benjamin Maranhão (SD).

De acordo com André Agra, caso necessário, o montante será usado para construção de 100 poços, gastos com carros-pipa, distribuição de filtros e cestas básicas, instalação de 1.000 caixas d’água com 10 mil litros de capacidade e fornecimento de água mineral por quatro ou cinco meses.

“Essas medidas seriam aplicadas em áreas estratégicas, onde fosse verificado que a população estaria mais vulnerável aos efeitos da seca”, explica André Agra. “O investimento dos recursos seria gradativo, conforme fossem aparecendo necessidades”, continua o secretário. 

Ainda conforme o gestor, uma reunião com o prefeito Romero Rodrigues deve definir diretrizes para a utilização dos R$ 12 milhões. Até o fechamento desta matéria, o encontro ainda não tinha sido marcado. 

Procurada pelo Portal Correio, o gerente regional da Cagepa, Ronaldo Menezes, disse que a companhia não está ciente do plano de ações elaborado pela prefeitura. 

Campina Grande e Região enfrentam um grave período de seca nos últimos anos. O Açude Epitácio Pessoa, o Boqueirão, responsável pelo abastecimento da localidade, está com 5,2% da capacidade. Há dois anos, o fornecimento de água obedece um rigoroso esquema de racionamento. 

Além de Benjamin, também participaram do encontro com Temer os senadores José Maranhão (PMDB), Raimundo Lira (PMDB) e Deca (PSDB) e os deputados Pedro Cunha Lima (PSDB), Efraim Filho (DEM), Wilson Filho (PTB), Rômulo Gouveia (PSD) e Aguinaldo Ribeiro (PP).

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas