Conab cadastra extrativistas de umbu para facilitar acesso às políticas públicas

0
COMPARTILHE

Com o objetivo de ampliar o apoio concedido a extrativistas paraibanos, a Companhia Nacional do Abastecimento (Conab) está promovendo uma campanha de divulgação e cadastramento de pequenos produtores de umbu. A ação visa estimular o acesso à Política de Garantia de Preços Mínimos para Produtos da Sociobiodiversidade (PGPM-Bio), que oferece subvenção direta aos extrativistas quando os produtos são comercializados, no mercado, por um preço inferior ao mínimo fixado pelo governo federal. 

Leia mais notícias no Portal Correio 


Até esta sexta-feira (27), técnicos da Companhia visitarão diversas regiões do estado num verdadeiro mutirão para cadastramento de produtores de umbu. O registro prévio no Sistema de Cadastro Nacional de Produtores Rurais, Público do PAA, Cooperativas, Associações e Demais Agentes (Sican) é obrigatório para obtenção do bônus da PGPM-Bio. Os extrativistas podem acessar a Política individualmente ou organizados em associações/ cooperativas.

Nesta terça-feira (24), os técnicos estarão na Secretaria de Agricultura do município de Baraúna, onde atenderão os cadastramentos do próprio município e também de Picuí, Cuité, Nova Floresta e Frei Martinho. Nesta quarta-feira (25), o atendimento foi no Centro da Pastoral de Barra de Santa Rosa, para cadastramento dos extrativistas da própria cidade e também de interessados de Damião e Algodão de Jandaíra.

Na quinta-feira (26), as atividades ocorrerão em duas localidades diferentes. Pela manhã, os cadastramentos serão feitos no Centro de Capacitação do município de Cubati e também atenderão os residentes de São Vicente, Sossêgo e Olivedo. Durante a tarde, os técnicos da Conab se deslocarão para a Comunidade Canoa de Dentro, localizada na cidade de Pedra Lavrada – os cadastramentos serão feitos na capela da comunidade.

O trabalho conta com o apoio de técnicos da Emater-PB e das cooperativas Associação dos Fruticultores de Nova Floreta (Afrunof), Cooperativa Agroindustrial do Seridó e Curimataú Paraibano Ltda. (Coasc).

Além do umbu, a PGPM-Bio garante preço mínimo para outros 14 produtos da sociobiodiversidade. Na Paraíba, a política é muito acessada por produtores de mangaba.

No ano passado, 377 extrativistas indígenas receberam R$ 377,54 mil como complemento de renda pela venda de 521,5 mil quilos de mangaba a valores inferiores ao preço de referência da Conab.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e veja nossos vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar informações à Redação
do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas