Condenada quadrilha com presos, agentes e ex-diretor de presídio do Sertão da PB

22
COMPARTILHE

A Câmara Criminal do Tribunaç de Justiça da Paraíba manteve a condenação de membros de uma quadrilha denominada “O Cordão”, facção criminosa destinada ao tráfico de drogas na região de Patos, no Sertão do estado, a 307 km de João Pessoa, e em cidades próximas, liderada por um presidiário e um ex-diretor do Presídio Masculino de Patos. O bando contava ainda com a colaboração de agentes penitenciários lotados na unidade prisional. Um total de 14 réus tiveram recursos apreciados nessa terça-feira (7).

Leia mais Notícias no Portal Correio

De acordo com investigações policiais, as drogas tinham origem no estado de São Paulo, passando muitas vezes pelo município de São Bento, também no Sertão, a 375 km da Capital, momento em que a organização criminosa as transportava para Patos, onde era feita a divisão das substâncias. Os entorpecentes eram então distribuídos para as ‘bocas de fumo’ da cidade, além do município próximo de Pombal (PB) e São José do Egito (PE).

A Polícia Civil da Paraíba desencadeou diversas investigações e conseguiu flagrar, por meio de filmagens realizadas nas ruas de Patos, dois apenados supostamente comercializando as drogas em companhia do ex-diretor e de um agente penitenciário, utilizando-se, inclusive, do veículo do sistema penitenciário.

A denúncia foi ofertada inicialmente contra 30 réus e revela uma associação permanente e duradoura entre os denunciados, caracterizada pela hierarquia, divisão de tarefas (recepção das drogas, transporte ao presídio, entrega, armazenamento, venda, entre outras atividades) e lucros. Dez destes denunciados foram absolvidos pelo Juízo de 1º grau por insuficiência de provas.

O relator do processo, desembargador Márcio Murilo da Cunha Ramos, afirma que a materialidade dos delitos está devidamente comprovada e que não há a necessidade de apreensão das drogas, sobretudo quando se está diante de uma grande operação, na qual a polícia se utiliza de modernas técnicas de investigação.

As penas pelos crimes de tráfico ilícito de entorpecentes e associação para o tráfico, aplicadas aos líderes da organização, foram aumentadas por dois fatores: crime realizado dentro do estabelecimento prisional e caracterização do tráfico realizado entre os estados da Paraíba e Pernambuco. O presidiário foi condenado a 11 anos e um mês de reclusão e o ex-diretor a nove anos e quatro meses. Os réus cumprirão pena inicialmente em regime fechado.

Quatro réus receberam pena de 11 anos e um mês de reclusão, três cumprirão 9 anos, enquanto uma ré foi condenada a sete anos por tráfico de drogas, mas absolvida do crime de associação para o tráfico.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar informações à Redação
do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas