Crian?a adoece, fica grave e pais acusam hospital na PB de neglig?ncia m?dica

11
0
COMPARTILHE

Uma menina de três anos de idade vem passando por graves problemas de saúde após um possível caso de negligência médica cometida por profissionais de saúde que trabalham como médicos no Município de Serra Branca, no Cariri paraibano, a 233 km de João Pessoa. Segundo a família, a criança teria sido levada até um hospital em Serra Branca com sinais de febre e dificuldade para respirar, mas não teria passado por exames e tomado apenas soro e antitérmicos. Dias depois, a menina apresentou agravamento de saúde, foi internada em Campina Grande com quadro de pneumonia grave e passou por procedimento cirúrgico. Somente no fim da tarde desta quarta (1º) que ela apresentou melhora e já não está mais sedada.

Leia mais Notícias no Portal Correio

A denúncia foi feita pelo pai da criança, Gérson Teixeira. Segundo ele, a menina começou a adoecer no dia 19 de junho, quando apresentou febre. “Pensávamos que seriam problemas com nascimento dos dentes e medicamos ela em casa, mas a febre baixava e voltava, além de começar a ter dificuldades para respirar, então decidimos leva – lá ao hospital”, disse.

Segundo Gérson, o primeiro atendimento no hospital em Serra Branca ocorreu no dia 23 de junho, onde ela teria sido atendida de maneira breve, sendo medicada e liberada.

“No hospital, o médico atendeu rapidamente e passou soro com remédio para febre. Ao acabar o segundo soro, minha esposa e nossa filha aguardaram o médico, mas chegou uma enfermeira dizendo que estavam liberadas, sem que nenhum medicamento fosse receitado. No outro dia decidimos procurar uma médica particular, porque a febre não cessou e minha filha não conseguia respirar normalmente”, disse o pai da criança.

No atendimento particular, o pai da menina relatou que a médica receitou remédios para combater a febre e o cansaço, mas avisou que se não houvesse melhora no estado de saúde a menina deveria ser levada novamente ao hospital para a realização de um raio-X no tórax.

“Ela não melhorou e na quinta-feira (25) voltamos ao hospital de Serra Branca para buscar atendimento e pedimos o exame de raio-X, mas fomos informados por médicos da unidade que nossa filha estava bem. Minha esposa insistiu, por três vezes, a realização do exame, mas não tivemos os pedidos aceitos e fomos informados que não haveria necessidade do raio-X. No sábado (27), com a permanência dos sintomas, fomos até uma clinica particular e lá fomos orientados a levar nossa filha para o Hospital da Criança, em Campina Grande, onde foi realizado o raio-X e constatado que minha filha estava com pneumonia muito grave, sendo transferida imediatamente para o Hospital de Trauma, onde passou por uma cirurgia e se encontra internada”, contou o pai da menina.

Ao Portal Correio, a assessoria de comunicação do Hospital de Trauma em Campina Grande informou que a criança segue internada na Unidade de Terapia Intensiva Infantil (UTI), sedada e entubada. A menina teve derrame pleural, ocasionado pelo agravamento da pneumonia, passou por um procedimento médico para instalação de um dreno torácico, permitindo a drenagem de secreção ocasionada pelo derrame. Depóis de ficar em situação grave, ela apresentou melhora nesta quarta-feira (1º) e já deixou a sedação.

O pai da criança informou que vai buscar a Justiça e pedir uma investigação para averiguar o procedimento médico e a possível negligência praticada pelos profissionais de saúde em Serra Branca.

“Conversei com dois advogados e eles estão esperando a evolução do caso para definirem. Estou acompanhando minha filha todo o tempo. Não quero ressarcimento financeiro, não é por isso que vou entrar na Justiça, mas quero a devida investigação e apuração do atendimento feito na minha filha lá em Serra Branca. Eles poderiam ter feito o raio-X e minha filha ter sido medicada corretamente antes de todo esse agravamento. Perdemos tempo de tratamento e isso não se faz. Eles brincaram com a saúde da minha filha e podem ter feito isso com outras pessoas também”, afirmou Gerson.

Saúde de Serra Branca se defende

Em contato com o Portal Correio, o secretário de Saúde de Serra Branca, o médico Marcelo Jackson, confirmou que a criança foi atendida no hospital do M, passou por atendimento médico e tomou remédios para combate a febre. Porém, o secretário falou que no dia do segundo atendimento, conforme o prontuário, a criança não apresentava problemas respiratórios, o que dificultou um possível diagnóstico da pneumonia.

“A criança foi atendida na terça no hospital de Serra Branca com febre e respiração anormal, ficou em observação, tomou soro e analgésico. Como a febre baixou, foi dada alta hospitalar. Houve um segundo atendimento, onde não havia presença de febre e houve um procedimento médico de ausculta, onde nada de anormal foi diagnosticado na criança”, disse o secretário de Saúde de Serra Branca.

Ainda segundo o médico Marcelo Jackson, o quadro de pneumonia não pôde ser diagnosticado previamente por conta da falta dos sintomas mais fortes da doença.

“O que caracteriza a pneumonia é uma respiração rápida. Existia o histórico de tosse e febre, mas no momento do atendimento não existia o quadro clínico clássico de pneumonia e isso consta no prontuário. Percebo que não houve negligência nem erro, porque todos os médicos do hospital de Serra Branca atestaram que não existiam sintomas da pneumonia”, disse o secretário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas