Crise grega pode atrasar recupera??o da economia mundial, dizem economistas

18
COMPARTILHE

A crise grega pode atrasar a recuperação da economia global, incluindo o Brasil, com risco de colapso de moedas. A avaliação é do professor de Finanças do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibemec-Rio) Gilberto Braga.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Nesta terça-feira (30) as atenções do mundo financeiro estão voltadas para a Grécia, que precisa pagar a parcela € 1,6 bilhão devida ao Fundo Monetário Internacional (FMI). A expectativa é que haja acordo, mas o país pode deixar de pagar a parcela da dívidae indicar que está abandonando a zona do euro.

Segundo Braga, é difícil dimensionar as consequências da saída da Grécia do bloco. “Poderia haver uma ruptura completa do sistema da União Europeia”. O professor destaca que há um esforço para ceder e manter a Grécia na União Europeia, mas sem que credores “passem a mão na cabeça” do país.

Para o Brasil, Braga considera que a crise pode desestimular investimentos estrangeiros, devido ao clima de desconfiança. “Os investidores ficam mais cautelosos na decisão de investir. Já não temos um cenário favorável no Brasil, devido às condições econômicas e à crise política”. Além disso, a oportunidade de o Brasil vender mais produtos ao exterior, aproveitando a alta do dólar, também é afetada. “É um balde de água fria nesse esforço [de aumentar as exportações brasileiras]”, afirmou.

O economista Róridan Duarte, do Conselho Federal de Economia, destaca que, de imediato, o impacto para a economia grega é avassalador, com graves consequências no bloco. Embora ressalte que, se os gregos aceitarem as condições colocadas pela troika (palavra russa que denomina três comitês, no caso a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o FMI), continuarão com problemas para o cumprimento dos acordos, que incluem, entre outros itens, aumento de impostos, elevação da meta de superávit primário e da idade mínima para aposentadorias para 67 anos (homens).

“De imediato, a Grécia teria de substituir o euro pela antiga moeda do país – o dracma – mas o reflexo maior seria para a própria zona do euro”, disse Róridan.

Segundo ele, os países da periferia do euro teriam problemas com o contágio que isso poderia ocasionar. “Já se sente isso, principalmente no sistema financeiro, com a queda nas bolsas – Portugal, Espanha, Irlanda e até mesmo a Itália podem ser afetados”, acrescentou.

Para o Brasil, o efeito maior seria em relação às expectativas, incluindo as dos agentes financeiros. Róridan lembrou que, desde o início da crise, em 2008, parece bem nítido que a resposta que a Europa tem dado é insuficiente, se comparada com a de outros blocos econômicos.

“Estados Unidos, Reino Unido, China buscaram mais uma resposta de estímulo à economia, de retomada do crescimento: política monetária ativa, com o aumento da moeda em circulação. A Europa procurou o caminho inverso. Uma receita ortodoxa e está colhendo os frutos disso”, pondera.

Na avaliação do economista, quem se beneficiou dessa receita, dentro da Europa, foram os países centrais, como a Alemanha e a França. Mas a periferia, como ele define Portugal, a Espanha e a Irlanda, sofreu e continua sofrendo as consequências da retração devido à resposta frágil à crise.

Segundo ele, alguns analistas consideram que, dependendo das consequências, a crise pode chegar à Itália, por causa da ligação entre as economias italiana e grega no comércio exterior, pela proximidade e pelo fluxo de turistas, entre outras coisas.

Para o Brasil, um dos problemas seria a possibilidade de mais elevação nas taxas de juros. Isso já aparece no horizonte, porque a curva das taxas começa a reagir a essa problemática na Europa. Para o economista, se acontecer isso, haverá risco de correria para ativos mais seguros, como dólar e títulos do Tesouro americano, sobretudo com a perspectiva de alta dos juros nos Estados Unidos. A atratividade desses ativos seria potencializada, levando a uma saída maior de dólares do Brasil em direção a outros ativos mais seguros – este seria o reflexo mais direto para a economia brasileira.

De acordo com Róridan, existe, porém, um reflexo indireto que não é desprezível. “O retardo na recuperação da economia mundial seria muito prejudicial para o Brasil nesta altura do campeonato. Estamos tentando retomar o comércio exterior e buscando redirecionar o motor da economia para o comércio exterior, o que seria um baque neste momento”, concluiu.

Duarte diz que, no seu modo de ver, a Grécia fez a coisa certa porque colocou o elemento político e democrático na decisão. Tradicionalmente, esses organismos como o FMI, Banco Europeu e a própria Comissão Europeia tomam decisões de cúpula e burocráticas.

“Há um contrato, tem de pagar. Que não pagar [está sujeito a] determinadas sanções. Mas o governo grego foi eleito justamente para não ceder a essas pressões e evitar esse receituário”, disse.

Acrescentou que, democraticamente, o governo grego chamou a população, introduzindo um componente político e democrático para que a decisão seja submetida a um referendo.
Ele ressalta que o próprio o ministro grego da Economia, George Stathakis, já antecipou que, se a população decidir acatar as medidas da troika, será para outro primeiro ministro porque ele não fica.

Em um cenário mais otimista, espera-se que o FMI ceda em alguns pontos, que antes pareciam inegociáveis e tente voltar à mesa de negociação. Por outro lado, o governo já sinaliza suspender o referendo se as negociações forem em outras bases, o que seria um bom sinal para os credores.

Para os brasileiros que pensam ir à Grécia nos próximos dias, o economista destaca que em situação de crise, normalmente, os gastos nesses lugares ficam mais baratos para os turistas. Existe porém um olhar sobre a possibilidade de distúrbios e falta de moeda. Um problema, porém, residual.

O vice-presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav) Nacional, Leonel Rossi Junior, disse que a crise não deve afetar a ida de brasileiros para o país. “Pelo contrário, a Grécia está muito barata. Não existe grande problema. Houve algumas passeatas, mas foram 13 mil pessoas. E os turistas já vão com hotel marcado e em grupos. Muitos viajam de navio, ficam três dias em Atenas e depois vão visitar as ilhas”, disse Rossi Junior. Ele acrescentou que a única precaução é levar dinheiro em espécie para o caso de ter alguma dificuldade de fazer saques.

De acordo com Rossi Junior, a Grécia não está entre os países que mais atraem os brasileiros. Dos 17 milhões de turistas que aquele país recebe por ano, 40 mil são brasileiros. Os principais destinos dos brasileiros são Itália, França, Portugal, Suíça, disse Rossi Junior.

Segundo Rossi Junior, o que deve reduzir em 7% o turismo dos brasileiros ao exterior este ano é a crise econômica brasileira. “Não é o dólar o problema. Há uma inquietude dos brasileiros em relação ao seu emprego e seus negócios. Estão mais precavidos para gastar com automóveis, eletrodomésticos e viagens também”, disse.

Gastos públicos elevados e descontrole das contas, entre outros motivos, levaram a Grécia à atual situação. País incluído na zona da euro, a Grécia terminou recorrendo à troika tomando empréstimos de mais de 100 bilhões de euros em 2010 e colocando a população em um grande aperto financeiro. A situação só piorou. No início do ano, Alexis Tsipras, líder da legenda radical de esquerda Syriza, venceu as eleições prometendo renegociar a dívida com os credores internacionais, além da política de austeridade.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas