Defesa diz ter conseguido prova cabal de que ‘flagrante a Berg foi preparado, logo, ilícito’

COMPARTILHE

O advogado Raoni Vita, que defende Berg Lima no processo que o afastou da prefeitura de Bayeux, disse, na manhã desta terça-feira (24), em entrevista à rádio Correio, que “agora a defesa tem uma prova cabal de que a prisão do gestor foi ilícita”.

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

Ele se referiu a um vídeo em que o atual prefeito, Luiz Antônio, diz, no dia anterior à prisão em flagrante de Berg, ter conhecimento de algo que comprometeria o então gestor municipal e pede dinheiro para financiamento da divulgação das imagens.

A defesa de Berg Lima acredita que as imagens em questão são as mesmas que no dia seguinte serviriam como argumento para a prisão do prefeito. 

Sem dar detalhes do conteúdo do flagrante, Luiz afirma que uma parte do dinheiro iria para a pessoa que faria o registro de Berg e outra para garantir a divulgação das imagens em meios de comunicação. As imagens que comprometem Luiz Antônio se tornaram públicas momentos antes ao posicionamento do advogado.

“O empresário que negociou com Luiz Antônio diz que entregou esse vídeo ao Ministério Público. Vamos requerer esse material, pois ele é prova cabal de que o flagrante a Berg foi preparado, o que é considerado ilícito pelo STF. Esse vídeo reforça e comprova o que a defesa de Berg diz desde o início, que ele foi vítima de uma armação. Está provado: o empresário recebeu dinheiro para gravar Berg”, declarou Raoni Vita, ao Correio da Manhã, programa ancorado por Samuka Duarte.

Até o fechamento desta matéria, a assessoria de comunicação da prefeitura de Bayeux não tinha se pronunciado sobre o assunto. 

Berg Lima foi preso em flagrante no dia 5 de julho deste ano. Ele está afastado da prefeitura de Bayeux e corre um procedimento de cassação do mandato dele na Câmara dos Vereadores do município. 

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e veja nossos
vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar informações à
Redação
do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas