Dilma: Brasil tem que se mobilizar para vencer luta contra Aedes aegypti

16
COMPARTILHE

A presidente Dilma Rousseff disse nesta sexta-feira (29) que o Brasil precisa se mobilizar para vencer a luta contra o mosquito Aedes aegypti. “Temos de nos mobilizar para ganhar a luta. Não vamos ganhar a luta se ficarmos de braços cruzados. Se eu dissesse que nós estamos ganhando a luta, nós estaríamos em uma fase mais avançada. Vamos ganhar essa guerra. Vamos demonstrar que o povo brasileiro é capaz de ganhar essa guerra”, afirmou a presidente.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Leia também: Ricardo participa de videoconferência com Dilma e ministros para discutir microcefalia

Ela fez a declaração após reunião com os governadores dos estados de Pernambuco, Paraíba, Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo, por videoconferência, para tratar de medidas de combate ao mosquito Aedes aegypti.

Hoje, o governo federal promove um dia de mobilização para eliminação de criadouros do Aedes aegypti, mosquito que transmite dengue, chikungunya e o vírus Zika, que pode causar microcefalia em bebês. “O governo federal hoje começa uma faxina em dentro de todas as unidades do governo e das Forças Armadas”.

A presidente minimizou as declarações do ministro da Saúde, Marcelo Castro, que na terça-feira disse que o mosquito estava ganhando a batalha. “Por que criar um problema com a constatação da realidade? Dizer que nós estamos perdendo é porque nós queremos ganhar”, disse Dilma.

Vacina

Segundo ela, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse que os testes para a vacina da dengue, que está sendo desenvolvida no Instituto Butantan, começam na segunda-feira (1º). “Estamos virando essa guerra quando descobrirmos a vacina. A dengue vai ter uma vacina brasileira que eu considero a melhor”, disse a presidente ao destacar a gravidade da situação: “Vamos ter que ter uma mobilização três vezes maior do que tivemos com a dengue. O Zika não é uma gripe”.

Em um momento de ajuste fiscal, a presidente disse que não pode faltar dinheiro para o combate ao mosquito. “Tenho certeza que não só o governo federal considera que não pode [faltar dinheiro], mas o Congresso também. Esta despesa tem a ver com a saúde pública no país. Não sofre contingenciamento nem limites. Vamos colocar todos os nossos recursos”, concluiu.

Além do ministro da Saúde, Dilma estava acompanhada pelos ministros da Integração Nacional, Gilberto Occhi; da Defesa, Aldo Rebelo; do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello; da Secretaria de Governo, Ricardo Berzoini; da Casa Civil, Jaques Wagner; e da Educação, Aloizio Mercadante e o encontro ocorreu na Sala Nacional de Coordenação e Controle para Enfrentamento da Dengue, Chikungunya e Vírus Zika, na região central de Brasília.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas