Entenda o que é verdade e o que é boato no caso do agente atropelado em João Pessoa

76
0
COMPARTILHE

O agente do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PB) Diogo Nascimento, de 34 anos, morreu após ser atropelado enquanto trabalhava na fiscalização da Operação Lei Seca, no Bessa, em João Pessoa. O caso aconteceu na madrugada do sábado (21) e ele chegou a ser socorrido em estado grave para o Hospital de Trauma, mas não resistiu e morreu um dia depois. O caso provocou comoção nas redes sociais e deu origem a uma série de boatos e informações desencontradas.

Leia também:

Agente fica em estado grave ao ser atropelado por Porsche em JP; vídeo flagra alta velocidade

Hospital de Trauma abre protocolo de morte encefálica de agente atropelado em blitz, em JP

Morre agente de trânsito atropelado durante blitz da Lei Seca em JP

Justiça decreta prisão de jovem que atropelou agente de trânsito em blitz na Capital

Polícia faz buscas para prender em flagrante motorista que atropelou agente de trânsito

Desembargador concede habeas corpus a jovem que atropelou agente em blitz na Capital

Desembargador alega bons antecedentes ao dar habeas a suspeito de atropelar agente

Procurador pede reconsideração de habeas corpus a motorista suspeito de matar agente

Grupo protesta contra liberdade de suspeito de atropelar e matar agente de trânsito em JP

Suspeito de matar agente em blitz vai responder por homicídio doloso qualificado, diz polícia

O autor do crime dirigia um carro de luxo da marca Porsche e fugiu do local, mas com o impacto da batida, a placa do veículo caiu e foi apreendida pelas autoridades. O dono do automóvel foi identificado e a polícia deu início às investigações para saber se ele quem dirigia ou se outra pessoa estava ao volante.

As pessoas se comoveram com o caso e tomaram conta do debate nas redes sociais, o que provocou a disseminação de informações desencontradas e boatos. Para esclarecer a situação, o Portal Correio lista abaixo o andamento das investigações acerca do caso, dentro do que se tem esclarecido até a manhã desta segunda-feira (22). Acompanhe.

O nome do suspeito foi omitido? NÃO

Inicialmente, a polícia não sabia se a pessoa que dirigia o carro era a mesma responsável pelo veículo e por isso não podia informar o nome do suspeito. Após informações oficiais obtidas por meio de apuração das autoridades, a imprensa passou a divulgar amplamente o nome do suspeito Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva.

Rodolpho é suspeito ou acusado? SUSPEITO

Qualquer pessoa que esteja submetida a alguma investigação é considerada suspeita. O termo ‘acusado’ só pode ser aplicado para quem for considerado réu na Justiça. As diferenças entre os termos ‘suspeito’, ‘indiciado’ e ‘acusado’ estão claras no Artigo 4º do Código Penal e não foram criadas pela imprensa ou por jornalistas.

Ele estava em alta velocidade? INVESTIGADO

A polícia ouve testemunhas e apura imagens de câmeras de segurança para concluir essa informação. Uma câmera gravou um carro em alta velocidade e que seria o mesmo que atropelou o agente.

Ele é o dono do carro? NÃO

O veículo é registrado no nome do pai do suspeito.

Ele tentou fugir da blitz e por isso atropelou o agente? INVESTIGADO

Segundo relatos de testemunhas, essa situação teria ocorrido. Porém, a polícia ainda está esclarecendo.

Ele foi preso? NÃO

O suspeito teve a prisão temporária decretada, mas não foi preso porque conseguiu um habeas corpus e vai responder pelo crime de homicídio doloso qualificado em liberdade.

O habeas corpus foi concedido na madrugada? SIM

O documento que garantiu a liberdade do suspeito foi assinado na madrugada do domingo (22) pelo desembargador Joás de Brito Pereira Filho e por Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva. Segundo escala do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), o juiz já havia encerrado o plantão às 24h do sábado (21) e no domingo (22) quem deveria ter assinado o documento era o juiz Frederico Martinho da Nóbrega Coutinho.

Escala do TJPB mostra plantão de desembargador

Foto: Escala do TJPB mostra plantão de desembargador
Créditos: Reprodução/TJPB 

O habeas corpus tem base legal? SIM

De acordo com o desembargador que assinou o documento, foi uma decisão técnica, na qual ele verificou que não havia necessidade de prisão, pois o réu é primário e de bons antecedentes. Segundo Joás, Rodolpho informou que vai se apresentar à polícia, mesmo que não tenha especificado quando, e por isso o desembargador entendeu que o suspeito não tinha intenção de fugir e se esconder, mas de colaborar com esclarecimentos. Até a manhã desta segunda (23), ele não tinha se apresentado à polícia.

Mesmo dentro da legalidade, o procurador José Rosendo Neto, do Ministério Público da Paraíba (MPPB) pediu que o habeas corpus seja reconsiderado por conta da repercussão do caso e pelo documento ter sido emitido na madrugada, fora do plantão do juiz que o assinou.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas