Especialista explica por que o Aedes aegypti consegue transmitir diversos tipos de vírus

23
0
COMPARTILHE

Durante o verão, a reprodução de mosquitos aumenta, inclusive do Aedes aegypti, transmissor de dengue, zika, chikungunya e febre amarela. A elevação da temperatura e a intensificação das chuvas proporcionam a eclosão de ovos do inseto, considerado uma das espécies de mosquitos mais difundidas no planeta pela Agência Europeia para Prevenção e Controle de Doenças. Ações preventivas para a eliminação de focos do vetor devem, portanto, ser intensificadas. Adriano Mondini, especialista em saúde pública da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Araraquara (SP), explica por que o Aedes consegue transmitir diferentes tipos de vírus.

Leia mais Notícias no Portal Correio

“Das doenças que nós conhecemos atualmente, que estão sendo transmitidas pelo Aedes aqui no Brasil, temos os quatro sorotipos de dengue, o vírus da chikungunya, o vírus da zika e, recentemente, pode ser que seja transmissor do vírus da febre amarela, justamente por ser transmitida pelo Aedes aegypti em ambientes urbanos. A gente tem alguns mecanismos que são envolvidos na transmissão desses vírus. Os diretamente relacionados ao vetor estão relacionados à suscetibilidade do Aedes aos vírus. O mosquito faz o repasse sanguíneo (se alimenta) e o sangue precisa chegar ao intestino médio dele e romper uma barreira que existe no órgão. Se ele conseguir passar para outras partes do mosquito, ele é suscetível aos vírus”, explica o especialista.

Mondini pressegue: “No entanto, a presença do vírus no mosquito não quer dizer que ele seja transmissor. É necessário que chegue até a glândula salivar e a saliva esteja com uma quantidade suficiente de vírus para infectar uma pessoa. Também tem outra questão, que é a linhagem do mosquito. Existem diferenças na genética que fazem com que os mosquitos tenham maior ou menor suscetibilidade e capacidade vetorial a determinado vírus.”

O especialista revela ainda que há uma “pressão seletiva do meio”, relacionada a temperatura, umidade, presença de vetor e de indivíduos suscetíveis para infecção. “Tudo isso pode alterar a estrutura do vírus e causar uma maior ou menor suscetibilidade ao mosquito.

De acordo com o levantamento mais recente realizado pelo Ministério da Saúde, desde o início do ano, 855 cidades brasileiras estão em situação de risco de surto de dengue, zika e chikungunya.

O primeiro boletim da dengue, zika e chikungunya de 2017 na Paraíba indicou que de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2016 (52ª Semana Epidemiológica) foram notificados 44.374 casos de dengue no estado. No mesmo período de 2015 foram registrados 29.858 casos, o que representa um aumento de 48,61%. Nesse período, 108 mortes ligadas ao Aedes foram registradas.

A infecção por vírus transmitidos pelo Aedes aegypti pode deixar sequelas permanentes, como é o caso da relação descoberta entre a zika e a microcefalia. Em pesquisa recente, constatou-se que a malformação atinge mais os bebês de mulheres que tiveram zika durante o primeiro trimestre da gestação. A conclusão veio através de estudo realizado na Paraíba por representantes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Governo dos Estados Unidos (CDC), da Saúde do Estado e do Ministério da Saúde sobre a relação entre o vírus Zika e a microcefalia.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar informações à Redação
do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas