EUA param para relembrar vítimas do 11 de setembro

34
0
COMPARTILHE

Os Estados Unidos pararam às 8h46 (9h46, no horário de Brasília) deste domingo (11) para homenagear as quase 3 mil vítimas do maior ataque terrorista contra o país em toda a sua história.


Leia mais Notícias no Portal Correio

Neste mesmo horário, há exatos 15 anos, um avião com destino a Los Angeles era jogado intencionalmente contra a Torre Norte do World Trade Center, deixando o mundo inteiro em estado de choque. Menos de 20 minutos depois, outra aeronave atingiu a Torre Sul – ambos os edifícios desabariam menos de duas horas mais tarde.

Às 09h37, um terceiro avião foi jogado pelos sequestradores contra o Pentágono, nos arredores de Washington. Uma quarta aeronave também foi raptada, mas acabou caindo em um campo na Pensilvânia devido à corajosa ação de passageiros.

Às 8h46 deste domingo, os norte-americanos relembraram os ataques de 11 de setembro com um minuto de silêncio no Ground Zero, o marco zero dos atentados, em Nova York.

Candidatos

A cerimônia contou com os dois principais candidatos à Presidência dos EUA, a democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump, que se ignoraram durante toda a celebração. Inicialmente, não estava prevista a participação dos dois no evento pelos 15 anos dos ataques, mas ambos acabaram mudando de ideia.

Hillary deixou a cerimônia antes do fim. Segundo a emissora Fox, devido a um mal estar, mas a informação não foi confirmada oficialmente. O momento de maior comoção foi durante a leitura dos nomes das quase 3 mil pessoas que perderam a vida nos ataques, incluindo os bombeiros e policiais que faleceram nas operações de socorro.

Outros cinco minutos de silêncio ainda foram realizados para relembrar os choques do segundo, do terceiro e do quarto avião e a queda de cada uma das Torres Gêmeas. O mesmo aconteceu na Casa Branca e no Pentágono, onde o presidente Barack Obama fez um breve discurso.

No pronunciamento, ele disse que o “espírito do 11 de setembro” insta a defender não apenas o país, mas também os “ideais” dos Estados Unidos. “Os americanos não devem ceder ao medo. Sabemos que a nossa diversidade, a nossa herança variada, não é uma fraqueza, mas nossa maior força”, declarou.

Por sua vez, Donald Trump disse, por meio de um comunicado à imprensa, que o “dever solene” dos norte-americanos é trabalhar para “tornar o país mais seguro contra um inimigo que não busca outra coisa que não destruir o modo de viver” dos EUA.

Por conta das cerimônias pelos 15 anos dos ataques, tanto ele quanto Hillary suspenderam suas campanhas.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas