Ex-goleiro Bruno teme por futuro quando sair da pris?o: “Estou quebrado”

24
COMPARTILHE

O drama do ex-goleiro Bruno, condenado a 22 anos de prisão pela morte de Eliza Samúdio em 2010, está longe de terminar. Em entrevista para a Rádio Itatiaia, o ex-atleta, que chegou a cogitar uma liberação parcial da prisão para voltar a jogar, revelou que teme pelo futuro quando finalmente estiver em liberdade.

Leia mais notícias de Esportes no Portal Correio

“Tem muita gente que acha que o Bruno é um Tio Patinhas da vida [personagem das histórias em quadrinhos conhecido por ter muito dinheiro], que tem muito dinheiro lá fora, mas eu perdi tudo. Estou financeiramente zerado”, revelou.

Bruno, que atualmente cumpre pena na APAC (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado) de Santa Luzia, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, preferiu não acusar ninguém pela situação caótica que diz enfrentar hoje, mas admitiu que pode ter sido passado para trás por conta de sua prisão.

“Quando você é preso, fica psicologicamente abalado, e acredita em tudo o que o advogado fala, pois está desesperado. Algumas pessoas se aproveitaram muito dessa situação no início”.

Apesar de afirmar não ter dinheiro guardado, o ex-atleta tem um fio de esperança em recuperar a dignidade. “Aqui [na APAC] se mata o criminoso e se recupera o homem. Penso em um futuro melhor para mim e para a minha família, e acredito que isso será consequência do que vou plantar”.

Um dos modos de recuperar a vida é encontrar passatempos para fazer da detenção um lugar melhor. E Bruno viu na pintura, na arte, esse meio. O ex-camisa um do Flamengo está participando de um programa onde é possível se dedicar e aprender um pouco mais sobre a arte de pintar quadros. De acordo com o jornal Meia Hora, do Rio de Janeiro, Bruno aprendeu a pintar muito rápido e até já fez dois quadros para a esposa, Ingrid Calheiros.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas