Gest?o condominial atual diz que n?o fixou valor da taxa no Vieira Diniz, na Capital

17
COMPARTILHE

A administração responsável pela gestão atual da taxa condominial do residencial Vieira Diniz se pronunciou nesta sexta-feira (3) para explicar sobre as denúncias formalizadas pelos moradores de que o valor cobrado seria muito alto. O caso está no Ministério Público do Estado (MPPB). Clique aqui para relembrar o caso e entender.

Leia mais Notícias no Portal Correio

De acordo com a manifestação, a taxa foi fixada em assembleia organizada pelos moradores e gerida pela administração anterior. A gestão atual diz que assumiu em 1º de junho deste ano e que os acordos firmados entre moradores e condomínio já estavam valendo antes desse período.

A administração condominial atual do Vieira Diniz falou que vai ao Ministério Público esclarecer o caso e prestar informações, bem como detalhar as contas.

Veja a nota na íntegra:

“A administradora que integra o Corpo Diretivo, esclarece que iniciou seus trabalhos no residencial no mês de junho de 2015, e o mesmo já possuía a taxa condominial vigente supramencionada na notícia, a mesma foi aprovada por Assembleia Geral Ordinária presidida pelo representante da empresa Armini ocorrida no próprio Condomínio com a presença de moradores, que visando à segurança de todos e os fatos ocorridos, aprovaram a mensalidade. Salientamos que nossa empresa trabalha com transparência e que todas e quaisquer decisões são aprovadas em Assembleia Geral e devidamente registradas em Cartório, comprovando a veracidade dos fatos. Portanto, por sermos prestadores de serviços, nossa obrigação contratual é de meio, ou seja, assessorar e dar consultoria nas necessidades condominiais nas áreas administrativa, contábil, técnica, jurídica e engenharia. Portanto, não nos cabe a imputação de conduta de imposições, uma vez que tudo é decidido juntamente com os condôminos, prevalecendo o bem-estar de todos”.

A gestão atual do condomínio divulgou esse esclarecimento em resposta às alegações da Caixa Econômica Federal e da Prefeitura de João Pessoa, que a apontavam como responsável pela situação. 

Os moradores do residencial popular que fica na Zona Sul de João Pessoa formalizaram uma denúncia no MPPB para questionar sobre a cobrança da taxa de R$ 85 no condomínio, que seria alta parta os padrões de renda das pessoas que vivem nos apartamentos.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas