Gestores admitem colapso financeiro nas prefeituras caso ajuda do governo não chegue

66
0
COMPARTILHE

Cerca de 150 prefeitos e a maior parte dos representantes a bancada federal paraibana participaram, nesta segunda-feira (23), de um encontro promovido pela Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup) no auditório do Centro Cultural Ariano Suassuna do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), em João Pessoa, para discutir alternativas para a crise e tentar sensibilizar o governo federal em busca de mais recursos para os Municípios.

Leia também: Gestores da PB aguardam ajuda do governo federal para evitar colapso em prefeituras

Em contato com a reportagem do Portal Correio, pelo menos 20 gestores admitiram a possibilidade de colapso financeiro caso o atual cenário não se modifique.

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

Por conta da queda de repasses para os Municípios, muitos prefeitos estão tendo que promover cortes de despesas e até recorrendo a demissões para tentar colocar as finanças em dia.

Em Cruz do Espírito Santo, o prefeito Pedrito (PSD) disse que a situação no Município é muito ruim e terá que promover cortes para tentar honrar os compromissos em dia. Pedrito disse que até o momento já demitiu 160 pessoas e só conseguirá pagar o salário dos cargos comissionados do mês de agosto nesta terça-feira (24). “Se for pra tirar os contratados, que são os professores e o pessoal que dá apoio nas escolas, vai ter parar, e se for pra parar é melhor fechar as portas, como aconteceu em prefeituras do estado de Alagoas”, alertou.

O cenário também é preocupante na cidade de Caaporã, no Litoral Sul do estado, onde o prefeito Kiko Monteiro (PDT) já demitiu cerca de 300 pessoas que foram contratadas por ele no início do ano.

Segundo o gestor, o repasse do ICMS para o Município previsto para o próximo ano é preocupante, principalmente quanto à ocorrência de novas demissões. “Já demitimos aproximadamente 300 pessoas, e estamos estudando novos cortes, infelizmente”, lamentou.

O prefeito de Pilar, Benício Neto (PSB), disse que a situação na cidade é muito preocupante. Ele revelou que por conta dos descontos feitos nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), a prefeitura só recebeu até o momento R$ 6 mil. “Estamos caminhando para o colapso financeiro, com o atraso da folha e dos fornecedores, por isso estamos apelando para que essa ajuda chegue o mais rápido possível”, afirmou.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram e veja nossos vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar informações à Redação
do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas