Goleiro da Seleção Brasileira entra na mira de Pep Guardiola

121
COMPARTILHE

Em grande fase no Benfica de Portugal, onde é titular absoluto, deixando Júlio César, que disputou as Copas de 2010 e 2014 no banco, e convocado pela primeira vez para defender a seleção brasileira profissional, o goleiro Ederson vive um grande momento. Aos 23 anos, o jogador foi procurado pelo técnico Pep Guardiola.

Leia mais notícias de Esportes no Portal Correio

Desfalque nos Jogos Olímpicos por conta de uma lesão, o arqueiro ainda não é tão conhecido no país, já que encerrou seu ciclo nas categorias de base no Benfica, em 2008, onde se profissionalizou em 2011. Antes de assumir a meta do clube, foi emprestado para Ribeirão e Rio Ave, times de menor expressão do país.

Sobrinho de Arthur Moraes, atualmente goleiro e capitão da Chapecoense, Ederson atuou pela primeira vez como profissional no Benfica em 2016, quando teve de substituir Júlio César, que se lesionou no dérbi de Lisboa contra o Sporting. O bom desempenho credenciou o garoto a ser o dono da posição.

Nesta quarta-feira (22), o jornal português ‘A Bola’ alegou o interesse do técnico Pep Guardiola no brasileiro. Em seu primeiro ano na Inglaterra, o comandante está sofrendo com o sistema defensivo, principalmente com as atuações abaixo da medida de Claudio Bravo e Caballero.

Com contrato renovado até 2023 com os Encarnados, o clube da Terra da Rainha deverá desembolsar uma quantia entre 35 a 40 milhões de euros (aproximadamente entre R$ 117 e 133 milhões), para contar com os serviços de Ederson.

Reserva de Alisson na Amarelinha, o goleiro estará no banco no clássico contra o Uruguai, nesta quinta-feira (23), às 20h (horário de Brasília), no estádio Centenário, em Montevidéu, pela 13ª rodada das Eliminatórias.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar informações à Redação
do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas