Guarda municipal é preso em JP por aplicar golpe e se passar por PM para ameaçar vítima

53
0
COMPARTILHE

Um homem foi preso nesta terça-feira (19), em João Pessoa, suspeito de se passar por policial militar e aplicar golpe por meio de negociação em um site de anúncios e vendas. De acordo com o delegado Lucas Sá, da Delegacia de Defraudações e Falsificações, o suspeito, que é guarda municipal em Bayeux, pôs à venda um veículo Kia Sportage ao valor de R$ 40 mil. Após receber parte da quantia, ele informou ao comprador que havia mudado de ideia sobre a venda, mas não devolveu o dinheiro recebido.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Ainda conforme o delegado, o guarda municipal fez um depósito bancário em branco para simular a devolução do dinheiro, mas o comprador percebeu que se tratava de uma transação falsa. O suspeito, então, voltou a manifestar interesse pela negociação e marcou um encontro com a vítima para entregá-la os documentos do carro. O local escolhido foi um supermercado no bairro do Bessa.

No dia combinado, a vítima deixou o carro no estacionamento e entrou no estabelecimento para procurar o suspeito. O guarda municipal, no entanto, observava toda a ação em outro veículo. Com ajuda de um irmão, ele roubou o veículo, utilizando a chave reserva.

Depois disso, o suspeito começou a ameaçar a vítima, dizendo que ele e o irmão eram membros influentes nas corporações da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros. Eles também alegavam que não iriam sofrer punições caso a vítima os denunciasse.

Segundo a Polícia Civil, os suspeitos também passaram a cercar a residência da vítima, no intuito de intimidar toda a família. Os suspeitos ainda tiraram fotos dos documentos da vítima e publicaram em redes sociais, dizendo se tratar de um estelionatário. A publicação oferece recompensa para quem entregar a vítima “viva ou morta” aos suspeitos.

O irmão do guarda municipal preso nesta terça-feira conseguiu fugir da abordagem da polícia e se apresentou posteriormente em uma delegacia, na presença de um advogado. Ele foi liberado, mas responderá por estelionato, ameaça, calúnia e utilização indevida de sinal público (fardamento da PM e Corpo de Bombeiros), assim como o irmão. A pena pode chegar a até 13 de anos de prisão.

A Polícia Civil ainda vai investigar como os suspeitos tiveram acesso aos fardamentos.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas