Homem é preso suspeito de matar professora e forjar suicídio dela, na Capital

96
0
COMPARTILHE

Os laudos da criminalística e de medicina legal do Instituto de Polícia Científica da Paraíba (IPC-PB) foram fundamentais para derrubar a tese de que a professora Priscila Vanessa, 35 anos, teria se suicidado. Os documentos apontaram que a vítima foi assassinada. O suspeito do crime, o jovem de 30 anos, marido da mulher, foi preso pela Polícia Civil, nessa terça-feira (19), cerca de 24 horas depois do ocorrido.

Lei mais Notícias do Portal Correio

Peritos ouvidos pelo Portal Correio revelaram, com exclusividade, quais fatores levaram os especialistas a confirmar que a jovem foi assassinada.

“Foi uma série de fatores que descaracterizaram o suicídio. Além da cena do crime, os laudos apontaram que o tiro atingiu a cabeça da mulher do lado direito, mas os vestígios de chumbo foram encontrados na mão esquerda. Outro ponto foi a ausência de grãos de pólvora na pele da vítima, o que é presente em caso de suicídio, porque a pele fica com uma pequena queimadura. No corpo dela ficou constatado que o tiro foi disparado de uma distância de mais de 70 cm. Em caso de suicídio o tiro é a queima roupa”, comentaram os especialistas.

Após a emissão dos laudos, a Delegacia de Homicídios de João Pessoa concluiu que a jovem foi assassinada. Diligências foram feitas sob o comando da delegada Maria das Dores e o marido da vítima foi preso apontado como suspeito do crime.

“No dia do ocorrido (madrugada de segunda (18)) o caso foi registrado na Central de Flagrantes como sendo suicídio, mas depois da emissão do laudo pericial concluímos que a mulher foi morta e não teria se matado. O suspeito do crime, o marido da vítima, foi preso depois de fortes indícios. Ele nega a autoria”, disse a delegada Maria das Dores.

O jovem foi levado para a Central de Polícia Civil, no bairro do Geisel, em João Pessoa, para ser apresentado a imprensa nesta quarta-feira (20). O rapaz foi preso em flagrante será levado para audiência de custódia ainda nesta quarta, que vai decidir se será encaminhado para um dos presídios da Capital.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas