Ida de Hulk para a China pode render mais de R$ 500 mil à Raposa

20
COMPARTILHE

O paraibano Hulk está se transferindo do Zenit (Rússia) para o Shanghai SIPG (China), em uma negociação que deve superar os R$ 200 milhões (cerca de € 55 milhões). Considerado um dos cinco clubes formadores do atleta, o Campinense vive a expectativa de novamente lucrar com a transferência do jogador da Seleção Brasileira. Se na temporada 2012/2013 a Raposa embolsou R$ 190 mil com a venda (€ 60 milhões – cerca de R$ 128 milhões na época) do Porto (Portugal) para o Zenit, dessa vez o Rubro-Negro espera receber mais de R$ 500 mil. No novo time, segundo a imprensa russa, o atleta deverá ganhar cerca de R$ 42 milhões por ano. Acesse o Voz da Torcida.

Leia mais notícias de Esportes no Portal Correio

A informação é do presidente do clube, William Simões, que falou dos detalhes dessa situação nesta quarta-feira (29). O dirigente revelou que, como a CBF reconheceu que Hulk esteve vinculado apenas um ano ao Campinense, a agremiação tem direito a 0,4816 do Mecanismo de Solidariedade da FIFA, o qual vem a ser os 5% que as equipes compradoras precisam repassar aos clubes considerados formadores.

A entidade maior do futebol considera como time formador de atleta aquelas agremiações pelas quais o jogador passou entre 16 e 23 anos. 

Sobre a situação do Campinense, lanterna do Grupo A-9 da Série D, com apenas um ponto, William disse que acredita em três vitórias nos três jogos restantes e, consequentemente, na classificação.

O Campinense encara o Fluminense de Feira de Santana-BA no domingo (3), às 16h, no estádio Amigão, em Campina Grande.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar informações à Redação
do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas