aviao-da-fab-trara-corpos-de-paraibanos-mortos-em-acidente-em-mg
Imagem ilustrativa/Foto: divulgação/FAB/Fotos Públicas

Impasse político teria impedido avião de trazer corpos para PB

Sob o argumento de que não queria citar nomes e nem envolver nenhum político no problema, o prefeito explicou que chegou a ligar para deputados e até para ministros

851
1
COMPARTILHE

Um desencontro de informações. Essa foi a justificativa inicial apresentada pelas autoridades para explicar os motivos de o avião da Força Aérea Brasileira (FAB) não ter feito o traslado dos corpos dos paraibanos mortos em um trágico acidente ocorrido na estrada do estado de Minas Gerais no último sábado (13). Mas, ao que parece, o impasse teria sido causado por problemas políticos. Nesta quarta-feira (17), o prefeito Laurinho Maia, do município de Catolé do Rocha, no Sertão, a 433 quilômetros da capital – local onde a maioria das vítimas morava – revelou detalhes dessa falha de comunicação. Os corpos só chegaram à Paraíba na noite dessa terça-feira (16) por volta das 20h30, e foram trazidos em carros funerários.

Veja também: Comoção para Sertão em velório e enterro de vítimas de acidente

Sob o argumento de que não queria citar nomes e nem envolver nenhum político no problema, Laurinho explicou que chegou a ligar para deputados federais paraibanos e até para ministros, que liberaram a aeronave para fazer a viagem. Mas, no meio do caminho alguém, que ele não revelou quem, soltou a informação de que o problema já havia sido solucionado e não haveria a necessidade da utilização do avião.

“Inicialmente as famílias me passaram que a seguradora ia cobrir o translado. Então, como gestor, só me restava esperar. No outro dia, alguns familiares disseram que a seguradora tinha cancelado o translado e me pediram para procurar as lideranças políticas e eu assim fiz. Liguei para Efraim Filho (deputado federal), que ligou para Raul Julgmam e estava esperando um retorno. Liguei para o ministro Hermam Benjamim e ele falou com Raul Julgmam. Ele (Hermam) me retornou dizendo que Julgmam e que o avião estava liberado”, contou Laurinho durante entrevista concedida ao programa Correio Debate, da rádio Correio Sat/98FM.

Contudo, depois de todo esse percurso, as informações começaram a se desencontrar. “Enquanto isso, esse pessoal (familiares dos mortos) sempre estava em nosso gabinete. Em certa hora ligaram para um parente e ele me passou que o problema do avião havia sido resolvido e eu fiquei feliz. Aí depois me disseram que houve um desencontro de informações”, narrou o prefeito.

Laurinho explicou, ainda, que logo em seguida o ministro Hermam Benjamim falou que teria havido uma informação incorreta e que o avião não poderia mais fazer o translado dos corpos, porque o problema já havia sido resolvido.

O prefeito de Catolé do Rocha finalizou dizendo que, em respeito às famílias, gostaria de encerrar o assunto sobre o impasse.

COMENTÁRIOS

  1. Esses Políticos de uma forma ou de outra sempre acabam prejudicando a população. Avião da FAB não tem pra transportar quem necessita de verdade, mas pra transportar políticos tem

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas