Inconsciência do dano

6
0
COMPARTILHE

Os brasileiros sabem que o Brasil está atravessando um deserto econômico:

O desemprego atinge 14,2 milhões de trabalhadores; o PIB encolheu 7 por cento nos últimos três anos.

Nestas condições de temperatura e pressão, o normal seria (perdão pelo neologismo e comparação) “camelar” sem dó nem piedade – gastando menos e trabalhando mais na perspectiva de encontrar mais rápido o nosso oásis.

Uma missão que tem que ser abraçada por TODOS (o grifo maiúsculo é para que fique bem entendido que isso significa a união de esforços entre trabalhadores, empregadores e, principalmente, setor público).

Infelizmente, o esforço brasileiro é minúsculo.

Do tamanho da inconsciência coletiva do dano que provocamos ao País com nosso ócio institucionalizado.

E o mês de abril nos dá a exata medida de quão miúdo tem sido o empenho brasileiro para encurtar este deserto.

Veja como a conta é assustadora:

Mês passado, o País parou por exatos 14 dias!

Ou seja: metade de abril a nação ou estava de folga ou em regime de trabalho facultativo – um stand by que colocou o País por quase duas semanas em ponto morto.

Vamos aos cálculos:

Começamos abril num final de semana, num mês absurdamente pródigo em sábados e domingos. Foram cinco pausas de fim de semana, esticadas pelos feriados da Semana Santa e Tiradentes, mais a greve.

Pode tirar a prova dos nove: exatamente 15 dias sem que a nação batesse um prego numa barra de sabão, já que começamos o mês de maio com mais um feriado: não trabalhamos no dia 1º, justo o dia do trabalho.

É como se privasse o doente da UTI duas semanas sem medicação.

Que economia resiste?

Sem o alento das metáforas, atesto: este não é, definitivamente, comportamento de um País preocupado em se reencontrar economicamente.

Por negligência, estamos construindo o óbito da nação!

De quem é a responsabilidade?

Plural, sem dúvida. Mas, se tivesse que pinçar um culpado maior desse descaso, apontaria na direção do setor público, que não enfrenta essa agenda. E é sempre o primeiro a apertar o botão do ócio.

Porque seus salários estão a salvo, faça chuva ou faça sol.

Mesmo assim, choram as pitangas.

Em breve assistiremos prefeitos maldizerem o encolhimento dos repasses constitucionais, sem jamais fazerem a mea culpa pelos pontos facultativos que tão graciosamente multiplicam.

Quem precisa construir sua renda dia após dia, sabe o quanto essas pausas custam.

Como conseguir honrar os compromissos, pagar as contas e salários em um abril que começou tarde e terminou cedo produtivamente?

Escavando rombos. Pois essa conta não fecha.

Ou não temos consciência do dano ou já aceitamos nos sepultar enquanto nação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas