Inconsciência do dano

COMPARTILHE

Os brasileiros sabem que o Brasil está atravessando um deserto econômico:

O desemprego atinge 14,2 milhões de trabalhadores; o PIB encolheu 7 por cento nos últimos três anos.

Nestas condições de temperatura e pressão, o normal seria (perdão pelo neologismo e comparação) “camelar” sem dó nem piedade – gastando menos e trabalhando mais na perspectiva de encontrar mais rápido o nosso oásis.

Uma missão que tem que ser abraçada por TODOS (o grifo maiúsculo é para que fique bem entendido que isso significa a união de esforços entre trabalhadores, empregadores e, principalmente, setor público).

Infelizmente, o esforço brasileiro é minúsculo.

Do tamanho da inconsciência coletiva do dano que provocamos ao País com nosso ócio institucionalizado.

E o mês de abril nos dá a exata medida de quão miúdo tem sido o empenho brasileiro para encurtar este deserto.

Veja como a conta é assustadora:

Mês passado, o País parou por exatos 14 dias!

Ou seja: metade de abril a nação ou estava de folga ou em regime de trabalho facultativo – um stand by que colocou o País por quase duas semanas em ponto morto.

Vamos aos cálculos:

Começamos abril num final de semana, num mês absurdamente pródigo em sábados e domingos. Foram cinco pausas de fim de semana, esticadas pelos feriados da Semana Santa e Tiradentes, mais a greve.

Pode tirar a prova dos nove: exatamente 15 dias sem que a nação batesse um prego numa barra de sabão, já que começamos o mês de maio com mais um feriado: não trabalhamos no dia 1º, justo o dia do trabalho.

É como se privasse o doente da UTI duas semanas sem medicação.

Que economia resiste?

Sem o alento das metáforas, atesto: este não é, definitivamente, comportamento de um País preocupado em se reencontrar economicamente.

Por negligência, estamos construindo o óbito da nação!

De quem é a responsabilidade?

Plural, sem dúvida. Mas, se tivesse que pinçar um culpado maior desse descaso, apontaria na direção do setor público, que não enfrenta essa agenda. E é sempre o primeiro a apertar o botão do ócio.

Porque seus salários estão a salvo, faça chuva ou faça sol.

Mesmo assim, choram as pitangas.

Em breve assistiremos prefeitos maldizerem o encolhimento dos repasses constitucionais, sem jamais fazerem a mea culpa pelos pontos facultativos que tão graciosamente multiplicam.

Quem precisa construir sua renda dia após dia, sabe o quanto essas pausas custam.

Como conseguir honrar os compromissos, pagar as contas e salários em um abril que começou tarde e terminou cedo produtivamente?

Escavando rombos. Pois essa conta não fecha.

Ou não temos consciência do dano ou já aceitamos nos sepultar enquanto nação.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas