Inflama??es no ouvido aumentam no ver?o; veja como evitar

14
0
COMPARTILHE

Com o verão e as férias escolares, a procura por praias e piscinas é cada vez maior. As vezes acontece de entrar água nos ouvidos após um mergulho, e só quem já passou por isso sabe o quanto incomoda. Mesmo sendo comum, o problema precisa de atenção já que o descuido pode fazer com que se desenvolva a Otite, doença que acarreta inflamações e infecções no canal auditivo. De acordo com o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), nos últimos 10 anos, 27 paraibanos morreram por otite no Estado, sendo oito dessas mortes em João Pessoa.

Leia mais Notícias no Portal Correio

De acordo com o otorrinolaringologista, Alexandre Machado, da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), é preciso estar atento aos danos que podem ocorrer aos ouvidos. “O tipo de otite mais comum é causado por germes e fungos presentes na água e, nesses casos, as maiores vítimas são as crianças e idosos com mais de 60 anos. Por isso, a prevenção é o melhor remédio. O uso de protetores de ouvido pode servir como precaução contra a entrada de água, mas o principal cuidado é ao limpar os ouvidos. O ideal é limpar apenas a área externa da orelha com a toalha”, explicou.

Segundo o especialista, a otite externa geralmente está associada à umidade nos ouvidos. “Muitas bactérias podem gerar otite externa. O calor, a umidade, a entrada de água ou substâncias irritativas, assim como lesões geradas pala limpeza do ouvido, facilitam a ocorrência da infecção. A limpeza do ouvido com cotonete pode empurrar os detritos para o interior do canal, onde ficam acumulados, facilitando a retenção de água, que pode gerar a proliferação das bactérias e fungos. O uso do cotonete também pode causar lesões no ouvido e até perfuração do tímpano”, alerta Alexandre Machado.

Ainda de acordo com o médico, a natação em piscinas aquecidas e com cloro, disfunção imunológica, são mais alguns dos motivos frequentes da otite. Já o tabagismo passivo pode está associado aos casos de otite média. “Em casos de coceira, rolha de cera ou cerume, o ideal é ir ao médico para fazer uma lavagem e uma análise mais aprofundada antes de começar a curtir as praias e piscinas. Evite o uso do cotonete, se possível não use nunca, pois o excesso de cera dos ouvidos será expulso naturalmente ou absorvido pelo próprio organismo. O cotonete foi desenvolvido no século XX com o objetivo de auxiliar na aplicação de remédio em ferimentos e não para limpar ouvido”, ressaltou Machado.

Otite — É a inflamação do órgão da audição. Segundo médicos, conforme sejam atingidas essas diferentes porções do ouvido, a otite será de maior ou menor gravidade, recebendo também nomes diferentes, como otite externa (apenas ouvido externo inflamado), otite média (apenas ouvido médio inflamado), e otite interna, esta a mais grave, pois atingindo os canais semi-circulares, determinará transtornos do equilíbrio por ser esse o órgão responsável pelo nosso sentido espacial. Atingindo a cóclea, a doença será reconhecida como labirintite (uma vez que este órgão também é chamado de labirinto).

Causas e tipos de infecção — Germes ou fungos infecciosos, que podem estar na água de piscinas ou de chuveiros, quando instalados nos ouvidos, causam a inflamação. A otite externa é uma infecção do canal auditivo. Outros tipos de otite ocorrem no ouvido médio e no interno: otite média aguda, causada pela infecção do ouvido médio produzida por vírus ou bactéria; otite média secretora, que ocorre quando existe líquido acumulado no ouvido médio pela obstrução da trompa de Eustáquio ou uma otite média aguda mal curada; otite média crônica, referente à infecção constante produzida por uma lesão irreversível do tímpano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas