Movimento diz que Grande JP deveria ter 250 km de ciclovias para ajudar na mobilidade

0
COMPARTILHE

Com cerca de 30 mil ciclistas, a cidade de João Pessoa vem sofrendo com o aumento no número de veículos nas ruas e o crescimento dos congestionamentos. Mesmo sendo pouco utilizada no dia a dia, a bicicleta seria uma das principais alternativas para a população enfrentar o trânsito, melhorando a mobilidade urbana da Capital. O movimento Pedal Jampa defende que a Grande João Pessoa tenha pelo menos 250 km de ciclovias e um educador físico diz que a pedalada também é importante para a saúde.

Leia mais Notícias no Portal Correio

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a cidade de João Pessoa tem cerca de 170 mil carros e 80 mil motos. Para André Nascimento, do movimento Pedal Jampa, a população deve pensar em trocar esses veículos pela bicicleta, que tem maior facilidade de tráfego nas ruas, contribui com o meio ambiente e diminui a quantidade de congestionamentos na cidade.

“A bicicleta chega mais rápido do que os carros e as motos. Os ciclistas, quando enfrentam o trânsito, podem pegar vias alternativas, ruas paralelas as principais, sem nenhum problema. Já os carros e as motos não possuem tanta mobilidade. A bicicleta, em países desenvolvidos, é um dos três principais veículos de transporte da população que trabalha e isso pode acontecer também em João Pessoa”, afirmou André.

Os gastos com manutenção são outro diferencial das bicicletas. Em lojas especializadas, o conserto ou manutenção pode ser realizado a preços que variam entrem R$ 25 e R$ 80, dependendo da necessidade do cliente.

Segundo André, as pessoas que queiram adotar a bicicleta como meio de transporte ou apenas pelo lazer devem tomar precauções para evitar machucados e possíveis acidentes, comprando itens de segurança que custam, juntos, em torno de R$ 165.

“Para se ter o mínimo de segurança é indicado que a pessoa compre capacete, luvas, coletes refletores e adesivos luminosos que refletem a luz dos faróis dos carros e das motos oferecendo mais segurança aos ciclistas. São itens primordiais para um ciclista andar com segurança e, juntos, custam até R$ 165. É importante também a utilização de retrovisor, calça jeans e uma bolsa para se levar água ou frutas”, contou André.

Bicicletas são caras

Com preços variando entre R$ 290 a até R$ 5 mil, as bicicletas estão sendo vendidas a preços relativamente caros e este pode ser um dos motivos para que a população não tenha tanto interesse em comprar uma bicicleta.

Bicicletas nem sempre são tão baratas

Foto: Bicicletas nem sempre são tão baratas
Créditos: Reprodução/TV Correio HD

“A bicicleta é muito importante e pode ser uma das salvações para esse caos que vivemos no trânsito de João Pessoa. Boas bicicletas, para quem quer ter conforto e segurança custam entre R$ 1,6 mil e R$ 1,7 mil. Porém, com os impostos cada vez maiores, os preços estão aumentando e a população prefere os carros ou comprar uma moto, aumentando ainda mais os problemas de congestionamento”, disse André.

Discriminação e pouca estrutura

Além dos preços, outros fatores como a falta de ciclovias, a falta de bicicletários, vestiários e banheiros públicos, além da descriminação por parte dos motoristas da Capital também influenciam na pouca quantidade de ciclistas.

“Temos cerca de 30 mil ciclistas em João Pessoa, que esbarram na falta de investimento público para a construção de ciclovias. Temos 51 km de ciclovias em João Pessoa, mas a necessidade é de que esse número chegue em 250 km de ciclovias em toda a região metropolitana. Os bicicletários também são importantes, mas não contamos com nenhum e não temos um local público e segura para guardar nossas bicicletas fora de casa”, frisou André Nascimento.

Cotidianamente, a descriminação, que muitas vezes termina em acidente, inibe a vontade da utilização da bicicleta. Avenidas como a Epitácio Pessoa, a Cruz das Armas, a Tancredo Neves e até as vias paralelas se tornaram perigosas ao ciclista, que não é respeitado por parte dos condutores.

Falta estrutura segura e de qualidade; motoristas não respeitam ciclovias

Foto: Falta estrutura segura e de qualidade; motoristas não respeitam ciclovias
Créditos: Reprodução/TV Correio HD

“A maioria dos motoristas nos respeitam, mas tem uma parte que vive em pé de guerra. Eles buzinam, xingam e batem, as vezes de propósito, nos ciclistas para que a gente saia da frente. Somos atingidos e os motoristas ainda se sentem no direito de querer nos agredir. Faltam políticas públicas para conscientizar os condutores. Sei que temos ciclistas que também andam errado, mas na maioria das vezes somos vítimas”, concluiu André.

Pedalar traz benefícios ao corpo

Para o professor de educação física Pedro Carlos, a bicicleta ajuda a manter o peso, combate a diabetes, melhora a circulação sanguínea e traz benefícios cardiovasculares, desde que o exercício seja feito da maneira correta.

“Pedalar ajuda a melhorar a saúde, é um exercício de baixo impacto nas articulações e ajuda a melhorar a parte cardiovascular, no controle do peso, combate a diabetes, fortalece a musculatura corporal e traz diversos benefícios, além do bem estar. Mas a pedalada tem que ser feita da maneira correta, com equipamentos de segurança”, disse o professor.

A maneira correta, segundo Pedro, é manter uma boa postura corporal durante o trajeto, mantendo também uma respiração adequada.

“A bicicleta deve ser adaptada ao tamanho e peso do ciclista. Caso o ciclista tenha algum problema nas articulações ou na coluna ele deve ter um cuidado especial e ter o equipamento totalmente adaptado para não ter um agravamento nas lesões. Manter os braços levemente flexionados também ajuda”, contou o professor.

Especialista cobra investimentos

Segundo o professor Samuel Aragão, pós graduado em estudo de trânsito e ex-presidente da Associação Brasileira de Educadores de Trânsito, o trânsito de João Pessoa tem na bicicleta um aliado para a redução do tráfego de carros e motos, além da diminuição dos congestionamentos.

“Vivemos em um trânsito caótico. Não cuidaram da cidade anteriormente, não construíram viadutos, não houve grandes investimentos em trânsito durante muitos anos e o resultado nós estamos colhendo agora. A bicicleta é muito importante para se buscar uma solução e servir como uma peça de melhoria para o trânsito em João Pessoa. Se as pessoas andam de bicicleta elas evitam por um carro nas vias”, disse o professor.

Citando a Holanda como um dos países em que a bicicleta mais é utilizada pela população, Samuel Aragão falou que João Pessoa tem investido em ciclovias, mas que falta apoio para que a bicicleta se popularize como meio de locomoção.

“Na Holanda, existem ciclovias extraordinárias, bem feitas, com apoio ao ciclista. Cada uma com vários bicicletários, que comportam muitas bicicletas, com sinalização exclusiva. Lá, nos vemos famílias inteiras andando de bicicleta. Quando se vai ao Centro da cidade, se vai de bicicleta. Isso é incentivar a população a andar de bicicleta, proporcionando qualidade de vida e, sem dúvida, um trânsito melhor, com menos engarrafamentos e menos acidentes. Acredito muito que a bicicleta vai ajudar o trânsito de João Pessoa e acredito nela como um importante meio para conseguirmos uma solução para a mobilidade, mas temos que ter investimentos para isso”, afirmou professor Samuel.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas