Nono d?gito divide opini?es e causa ‘confus?o’ entre usu?rios e pontos de recarga na Para?ba

21
0
COMPARTILHE

Os paraibanos que possuem celulares terão que se acostumar com a adoção do nono dígito nos celulares, que é obrigatória e foi determinada pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) desde o ano passado. A novidade do ‘9’ chegou o dia 31 de maio e divide opiniões entre pessoenses. Alguns usuários e pessoas que trabalham em pontos de recargas estão encontrando dificuldades.

Leia também: Números de celulares da PB ganham 9º dígito; veja como aplicativos atualizam agenda

De acordo com France Gomes, responsável por uma banca de jornais e revistas do Centro da Capital há três anos, a mudança trouxe transtornos. “Esse nove é horrível! Tem que tirar isso porque os clientes se irritam, acham que a culpa é nossa, reclamam demais e tudo ficou mais complicado porque é mais fácil de acontecer erro e a gente perder a venda.”, disse ela.

France Gomes não gostou da obrigatoriedade do nono dígito

Foto: France Gomes não gostou da obrigatoriedade do nono dígito
Créditos: Ewerton Correia (colabora para o Portal Correio)

Também no Centro, Reginaldo Araújo trabalha há 15 anos, em outra banca, onde, segundo ele, o novo dígito não vem trazendo nenhum problema até porque ele alega ter redobrado a atenção no momento de digitar o contato da recarga.

“Nossa maquineta tem uma operadora que já coloca o espaço do nove na frente e a gente não esquece, outras duas operadoras ainda permitem que a gente recarregue sem o nove, mas já chegaram alguns clientes aqui reclamando da novidade”, explicou ele.

Reginaldo Araújo, dono de uma banca no Centro notou que clientes se confundem com novidade

Foto: Reginaldo Araújo, dono de uma banca no Centro notou que clientes se confundem com novidade
Créditos: Ewerton Correia (colabora para o Portal Correio)

O balconista Eduardo Lucas costuma realizar as recargas na banca de Reginaldo e disse não se preocupar com mais um dígito. “Não atrapalha em nada, é bem tranquilo; tenho dois celulares de operadoras diferentes e uma delas ainda permite ligações sem o nove”, disse ele.

Em um armarinho do Centro de João Pessoa, Fabiana Cardoso já está acostumada a vender recargas com o novo dígito e espera que a novidade não faça as vendas caírem. O lucro para os vendedores é de 2 a 3%, segundo ela. “Está bem tranquilo a recarga, mas a questão ainda confunde muito a cabeça dos idosos; muitos não entendem o porquê da gente colocar o nove na frente”, afirmou ela.

O nove a agenda telefônica

O novo dígito deve ser sempre colocado à esquerda dos contatos da ligação, algo que ficou bem mais fácil para quem tem smartphones, como é o caso da auxiliar administrativa Fernanda Chagas, que não sentiu dificuldade alguma com a novidade.

“Eu baixei um aplicativo no smartphone, ele coloca automaticamente o dígito e isso é bem mais prático; quanto à recarga, também não me preocupo porque ela é cobrada na fatura do cartão de crédito”, disse ela.

A dona de casa Lindoia Barbosa não tem a mesma praticidade. Mesmo com algumas operadoras permitindo ainda as chamadas sem o nove na frente, ela já sabe que está prestes a ter que mudar a agenda telefônica contato por contato. O aparelho que ela usa não tem sistemas operacionais como Android e iOS.

“Por enquanto eu consigo ligar normalmente para algumas pessoas, mas tenho que colocar o nove na frente de vez em quando; vai ser complicado mudar a agenda.”, disse ela.

France Gomes não gostou da obrigatoriedade do nono dígito

Foto: Configuração de smartphones facilita adaptação
Créditos: Ewerton Correia (colabora para o Portal Correio)

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas