Mais 1 milhão de peixes são liberados no Rio São Francisco

Objetivo é recompor o estoque dos peixes da região e aumentar a quantidade e a variabilidade de espécies nativas

Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente | Em 08/01/17 às 15h13, atualizado em 08/01/17 às 15h19 | Por Redação, com Agência Brasil
Divulgação/Codevasf
Espécies nativas de peixes são lançadas ao rio

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) libera neste domingo (8) cerca de 1 milhão de alevinos – filhotes de peixes que acabam de sair do ovo – de espécies nativas da Bacia do São Francisco no trecho alagoano do rio. O objetivo da ação é recompor o estoque dos peixes da região e aumentar a quantidade e a variabilidade de espécies nativas.

Leia mais Notícias no Portal Correio

A ação ocorre por ocasião da tradicional Festa de Bom Jesus dos Navegantes de Penedo, em Alagoas, com concentração no Porto das Balsas no Centro Histórico de Penedo.

O chefe da Unidade de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf, Leonardo Sampaio, informou que o peixamento deste domingo inclui peixes das espécies piau, xira, piabas, matrinxã e curimatã-pioa. Segundo ele, antes do início dos peixamentos, algumas espécies estavam desaparecidas na área. “O matrinxã e o curimatã-pioa estavam desaparecidos naquele trecho do rio. Com o peixamento ao longo dos anos, voltaram a aparecer. Os pescadores mais jovens nem conheciam o matrinxã, por exemplo.”

Em 2016, cerca de 7 milhões de alevinos foram liberados ao longo do rio, do Alto São Francisco, em Minas Gerais, ao Baixo São Francisco, em Sergipe e Alagoas, passando pela Bahia e Pernambuco. Segundo o biólogo, o trabalho dos técnicos da Codevasf com os pescadores artesanais da região permitiu verificar que as ações de peixamento tiveram êxito na volta da abundância de espécies escassas e desaparecidas.

Os peixamentos são uma ação recorrente na região e fazem parte do Programa Anual de Repovoamento da Bacia Hidrográfica do São Francisco, implementado pela Codevasf. A companhia tem sete centros integrados de recursos pesqueiros e aquicultura distribuídos pela bacia, onde são produzidos em média 15 milhões de peixes por ano.

A maior parte dos peixes produzidos é formada por espécies nativas. Também são produzidas espécies que são encaminhadas para projetos de piscicultura, especialmente a tilápia e o tambaqui, criados em viveiros por pequenos produtores locais. Os alevinos nativos são liberados por meio de peixamentos ao longo do rio. Parte dos espécimes também é usada para pesquisas.

O especialista explicou que são muitas as causas da diminuição do estoque de peixes no São Francisco. “Muitas intervenções, represas que barram a migração de algumas espécies, poluição, pesca excessiva e assoreamento das margens do rio são algumas das razões”, disse Sampaio.

Peixamento

O peixamento em Alagoas será feito em dois momentos. Primeiro, um caminhão adaptado para transportar os peixes vai embarcar em uma balsa para chegar a três pontos de soltura no Rio São Francisco, entre os municípios de Penedo e Neópolis, em Sergipe. O primeiro ponto de soltura será o bairro Santo Antônio, seguido pela orla do Porto das Balsas e finalizando na Prainha do Rio São Francisco, em Penedo.

A população e os turistas que estiverem em Penedo poderão participar do segundo momento do peixamento. Eles poderão soltar os peixes das margens do São Francisco, no Porto das Balsas.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

Atenção

Fechar