Olimpíadas poderão ter segurança das Forças Armadas nas ruas do RJ

COMPARTILHE

As Forças Armadas poderão atuar na segurança de vias expressas do Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos para que a Polícia Militar seja liberada para outras funções no período.


Leia mais notícias de Esportes no Portal Correio

“O governador [Francisco Dornelles] nos informou que enviará um pedido ao presidente [interino] Michel Temer de que as Forças Armadas venham a cuidar de algumas vias, Transolímpica, Linha Vermelha, talvez, liberando o pessoal de segurança pública do estado para cumprir outras missões”, disse o ministro da Defesa, Raul Jungmann, após reunião no Palácio Guanabara.

Ao todo, 38 mil homens da Forças Armadas atuarão na segurança pública durante a Rio 2016, de 5 a 21 de agosto deste ano. Desse total, 20 mil atuarão na cidade-sede e o restante do efetivo será distribuído entre as cinco cidades que receberão partidas de futebol masculino e feminino: Brasília, Belo Horizonte, Manaus, Salvador e São Paulo.

O secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, cogitou a atuação das forças armadas em todos corredores expressos da cidade, para liberar a PM para outras tarefas de segurança pública. Segundo Beltrame, o pedido de reforço ao governo federal não está relacionado à crise financeira do estado. “A gente vai aceitar e precisa de apoio, não vamos perder essa oportunidade”.

O ministro e o secretário, descartaram, no entanto, atuação das Forças Armadas em áreas de conflito da cidade, como já ocorreu em outras ocasiões, nas comunidades da Maré e no Complexo do Alemão, sob forte crítica de organizações de direitos humanos e moradores.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas