Parlamentares do Rio v?o ao MP pedir que caso Eduardo n?o seja encerrado

0
COMPARTILHE

Parlamentares do Rio de Janeiro no Senado Federal e na Câmara dos Deputados vão pedir ao procurador-geral do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, Marfan Vieira, para que as investigações sobre o assassinato do menino Eduardo de Jesus, de 10 anos, não sejam encerradas. Nesta semana, o caso foi considerado legítima defesa pela Divisão de Homicídios da Polícia Civil.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Eduardo de Jesus foi morto por policiais militares na porta de casa, em 2 de abril deste ano. O titular da Homicídios, delegado Rivaldo Barbosa, disse, ao apresentar a conclusão do inquérito, que os policiais militares agiram em legítima defesa. “Os policiais foram recebidos a tiros e se jogam para trás e disparam contra os traficantes que davam tiros neles. Lamentavelmente, quem estava na linha de tiro era o Eduardo. Juridicamente, isso é chamado de erro na execução.”

A investigação foi criticada por entidades da sociedade civil e pela família de Eduardo. A Anistia Internacional considerou a conclusão “uma aberração” e disse não ser possível a conclusão de legítima defesa em um caso em que uma criança de 10 anos, desarmada, é morta na porta de casa.

Investigações

Para o deputado federal Wadih Damous (PT-RJ), há elementos suficientes que mostram que os policiais não mataram a criança em legítima defesa. “Vou sair daqui agora para tentar o contato, não somente para levar nossa inconformidade, mas para exigir o andamento das investigações”.

Segundo o senador Lindbergh Farias, a intenção dos parlamentares é encontrar Vieira ainda nesta sexta-feira (6) ou na próxima segunda-feira. Os parlamentares participaram nesta sexta-feira de uma audiência pública da Comissão Parlamentar de Inquérito do assassinato de jovens do Senado Federal, no Rio de Janeiro, que ouviu representantes do governo do estado e familiares das vítimas, como a mãe de Eduardo, Terezinha Maria de Jesus.

“Eu não aceito essa investigação. Essa investigação é podre”, disse a mãe. “Legítima defesa de quê? Meu filho era uma criança na porta de casa e eles chegaram, deram um tiro e acabaram com tudo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas