PB perde 2,1 mil postos de trabalho e tem o pior maio na gera??o de empregos desde 2003

0
COMPARTILHE

A Paraíba fechou 2.125 postos de trabalho em maio deste ano, o que equivale a uma queda de 0,51% na geração de empregos com relação a abril. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (19) pelo Ministério do Trabalho, por meio Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). É a primeira vez, desde 2003, que o mês de maio tem queda no número de empregos com carteira assinada na Paraíba.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Os dados do Caged mostram que os principais setores responsáveis pelo resultado ruim são construção civil, que demitiu 935 pessoas, serviços, com baixa de 485 postos, e agropecuária, com redução de 407 no número de contratados.

De janeiro a maio deste ano, o Caged mostra que a Paraíba segue em queda na geração de empregos formais. Foram 12,3 mil postos de trabalho fechados em cinco meses, o que representa uma queda de 2,91% em relação ao mesmo período de 2014.

Apesar dos números negativos, o acumulado de 12 meses registra saldo positivo na geração de empregos com carteira assinada. Conforme o Caged, houve aumento de 1,20% nas contratações, o equivalente a 4.868 novas contratações nesse período.

Brasil

Os números ruins também ocorrem na maioria dos estados brasileiros. De acordo com o Caged, apenas Mato Grosso do Sul, Goiás, Acre e Piauí registraram crescimento na geração de empregos formais em maio.

Apesar das 8,3 milhões de contratações em cinco meses de 2015, o país continua registrando aumento no desemprego. Foram 243,5 mil postos de trabalho fechados nesse período em todo o Brasil. Só em maio, foram 115,5 mil vagas a menos.

A agricultura foi o setor que evidenciou desempenho positivo, com a geração de 28.362 vagas. Nos outros setores foram registradas perdas de postos de trabalho, sendo os desempenhos negativos registrados na indústria da transformação (-60.989); serviços (-32.602) e construção civil (-29.795).

O ministro do Trabalho, Manoel Dias, espera que os ajustes produzidos na economia, anunciados pela equipe econômica, retomem o ritmo de crescimento para que o país consiga gerar ainda mais empregos.

“Nos últimos 12 anos foram criados 21 milhões de postos de trabalho, porém é preciso ajustar a economia para que possamos continuar gerando vagas formais. Somente o FGTS vai aportar esse ano cerca de R$ 70 bilhões, que vai beneficiar, principalmente, o setor da construção civil”, lembrou.

Na avaliação de Manoel Dias, mesmo com o enfraquecimento em maio, o Brasil tem motivos para esperar uma melhora no quadro de geração de novas vagas, a partir do segundo semestre. Segundo ele, há setores que planejam investir ainda este ano, o que garantirá a geração de vagas de emprego.

“O FGTS já desembolsou R$ 20 bilhões, neste primeiro semestre, para o setor da habitação e saneamento básico. Esse recurso vai ajudar a recuperar os empregos na construção civil, que deve gerar mais de 1 milhão de novos postos ainda em 2015”, comentou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas