Pedido de prisão de suspeito de matar agente é adiado; família faz novo protesto

8
0
COMPARTILHE

Não foi analisado pelo 1º Tribunal do Júri da Capital o pedido de prisão de Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva, suspeito de atropelar e matar o agente Diogo Nascimento, de 34 anos, durante uma blitz da Lei Seca, na madrugada do dia 21 deste mês, no bairro do Bessa, na Zona Leste de João Pessoa. A promotora Artemise Leal deu entrada, nesta segunda-feira (30), com denúncia por homicídio doloso (quando há intenção de matar).

Leia também: Record traz vídeo inédito da noite em que agente morreu; suspeito estaria bêbado

O pedido foi entregue ao 1º Tribunal do Júri para ser analisado pelo juiz Antônio Maroja, que preside interinamente o órgão em substituição ao juiz Marcos William, que está de férias. O Tribunal de Justiça da Paraíba, no entanto, informou que a análise do caso não ocorreria mais ser nesta segunda-feira. A informação é do programa Balanço Geral, da Rede Correio Sat. O pedido deverá ser julgado nesta terça (31) ou na quarta (1º).

Nesta segunda, familiares de Diogo realizaram manifestação no Fórum Cível da Capital pedindo justiça.

Leia mais Notícias no Portal Correio

À Record TV, a defesa de Rodolpho Carlos informou que ele tem colaborado com a polícia e considera que não é necessária a prisão do suspeito para o bom andamento das investigações policiais. Ainda segundo os advogados, Rodolpho entregou a Carteira de Habilitação e o passaporte às autoridades e não há um quadro de impunidade porque a lei processual penal é cumprida com respeito ao contraditório e à ampla defesa.

Entenda o caso

Servidor do Departamento Estadual de Trânsito da Paraíba (Detran-PB), Diogo Nascimento comandava uma blitz da Operação Lei Seca quando foi atropelado.

Diogo foi atingido por um Porsche que trafegava em alta velocidade. O motorista fugiu sem prestar socorro, mas, devido ao impacto da batida, a placa do veículo caiu na pista e foi apreendida pelas autoridades.

O motorista suspeito foi identificado, teve a prisão decretada, mas conseguiu um habeas corpus, antes mesmo de ser preso e está solto. A polícia diz que ele cometeu homicídio doloso qualificado.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar informações à Redação
do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.
 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas