Prefeitura quer dar bolsa de até R$ 1 mil para famílias de crianças carentes em CG

Justificativa para a ação é de retirar as crianças e adolescentes das ruas e evitar que elas sejam exploradas para mendicância nos semáforos

Gestão | Em 18/05/17 às 06h49, atualizado em 18/05/17 às 06h47 | Por Redação, com informações de Carlos Sousa (Campina Grande)
Reprodução/Valter Campanato/Agência Brasil
Imagem Ilustrativa

Um Projeto de Lei (PL) da Prefeitura de Municipal Campina Grande (PMCG) quer dar até R$ 1 mil por mês para 86 famílias de crianças e adolescentes, de até 14 anos, que estejam em situação de vulnerabilidade social nas ruas da cidade.

Leia mais notícia de Política no Portal Correio

No PL, chamado de ‘Projeto Sinal de Cidadania’, que deverá ser enviado à Câmara Municipal de Campina Grande (CMCG) até o fim da próxima semana, a PMCG estabelece que as famílias vão receber R$ 500 por criança, com ‘teto’ máximo de R$ 1 mil por família, o equivalente a dois filhos em situação de vulnerabilidade.

A justificativa para a ação é de retirar as crianças e adolescentes das ruas e evitar que elas sejam exploradas para mendicância nos semáforos. Em contrapartida, as famílias deverão cumprir uma série de normas para não perderem o benefício.

“O objetivo é retirar as crianças da situação de vulnerabilidade das ruas, mediante uma contrapartida do Município para com as famílias e, também, das famílias para com o bem-estar das crianças. Para concessão dessa bolsa, a família se compromete a retirar a criança da situação de vulnerabilidade e transformar a atividade que a própria família impõem, que é se prostrar no sinal de trânsito para pedir algum recurso mediante contrapartida de limpeza de vidro, para que essa atividade se transforme na escola”, contou o procurador geral do Município, José Mariz.

Ainda segundo o procurador, o projeto já foi discutido e recebe apoio do Ministério Público do Trabalho na Paraíba (MPT-PB), com seleção das famílias já realizada pela Secretaria de Assistência Social de Campina Grande.

“Nosso sistema jurídico impede que se retire crianças das ruas a força, e por isso foi fomentada a ideia, em parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e com coordenadores da Secretaria de Assistência Social, de bonificar a família, já catalogadas pela equipe, para que ela [família], mediante critérios fixos estabelecidos, incentive a criança a ir a escola. Se identificarmos fraudes iremos tomar as medidas judiciais cabíveis contra as famílias”, concluiu o procurador.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

Atenção

Fechar