Pres?dio do Roger estaria em situa??o prec?ria e MPPB pede relat?rio, em JP

10
0
COMPARTILHE

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) está solicitando que a direção do presídio Desembargador Flósculo da Nóbrega (Roger), em João Pessoa, apresente nos próximos dias um relatório circunstanciado acerca da realidade da unidade prisional. Deverão ser mostrados a atual população carcerária e quais os tipos de trabalhos prisionais que são desenvolvidos, como forma de remição de pena e redução dos índices de violência entre os detentos.

Leia também: Revólver com munições deflagradas é achado enterrado em presídio após rebelião na Paraíba

O relatório foi solicitado pela Promotoria de Justiça da Tutela Coletiva do Sistema Prisional de João Pessoa, que tem à frente o promotor de Justiça Ricardo José de Medeiros e Silva, que nessa segunda-feira (27) realizou uma visita ao presídio, acompanhado pelo promotor de Justiça Nilo de Siqueira Costa Filho, da 1ª Promotoria de Justiça da Execução Penal da Capital.

Leia mais Notícias no Portal Correio

“Nosso objetivo foi o de conhecer e dialogar com os diretores do Presídio do Róger, para colher informações mais precisas acerca da rotina do presídio, a assistência regular oferecida aos encarcerados que ali se encontram cumprindo suas penas, bem como as dificuldades de pessoal, de material e as prioridades relativas ao bom cumprimento da Lei de Execução Penal”, justificou o promotor Ricardo Medeiros.

Os diretores do Presídio Róger, Lincoln Gomes Pedrosa Sousa e David Efraim Nigri (adjunto), após reunião com os promotores de Justiça, mostraram as instalações físicas da unidade e relataram as perspectivas para o presídio que estaria funcionando atualmente de forma precária. Eles se comprometeram a encaminhar o relatório circunstanciado ao MPPB.

“Precisamos envidar esforços, sempre, para garantir o cumprimento efetivo da Lei de Execução Penal”, ressaltou Ricardo Medeiros, acrescentando: “Sobretudo no que tange à garantia dos direitos dos apenados durante a execução de suas penas”. Preocupado também com o excesso de apenados no Presídio Róger, o promotor Nilo Siqueira destacou a necessidade de uma “assistência jurídica mais presente e célere”, para garantir maior rapidez aos processos de execução penal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas