Preso mais um suspeito de aplicar golpes na venda de carros junto com empres?rio

28
COMPARTILHE

Mais uma pessoa foi presa suspeita de participar de golpes na venda de carros em João Pessoa. Depois do empresário Alexandro Fonseca, de 40 anos, preso nessa quarta-feira (10), também se apresentou na delegacia o educador físico Anselmo Augusto Moreira Junior, 33 anos, se apresentou nesta quinta-feira (11) na Central de Polícia da Capital. Segundo a Polícia Civil, estima-se que os golpes tenham causado prejuízo de R$ 800 mil às vítimas. A identificação dos presos foi divulgada pela Secretaria de Comunicação do Estado.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Segundo o delegado Lucas Sá, da Delegacia Especializada em Defraudações e Falsificações, Anselmo Augusto foi preso após se apresentar à Central de Polícia da Capital.

De acordo com o delegado, ele agia junto com o empresário Alexandro Fonseca, que já responde a vários inquéritos relacionados à negociação de imóveis e à emissão fraudulenta de cheques bancários em João Pessoa.

Já o suspeito foi preso em casa, na quarta (10), no bairro do Bessa, em João Pessoa. Na propriedade, foram encontrados documentos de carros, notas promissórias e cheques que somam quantia superior a R$ 300 mil. Alexandro Fonseca foi levado para a Central de Polícia, no bairro do Varadouro. Ele deve ser transferido para a Penitenciária Flósculo da Nóbrega, no Roger, nesta quinta-feira (11).

Leia também: 

* Falso engenheiro é preso suspeito de fraudar locação de veículos e ganhar até R$ 900 mil 

Ao Portal Correio, o delegado informou como agia a quadrilha: “Eles vendiam carros que clientes deixavam na concessionária deles, mas dizia que não tinham conseguido vender. Só que o recibo de transferência do veículo para o comprador era feito de forma fraudulenta”, explica.

“Quando os verdadeiros proprietários começavam a cobrar os envolvidos no esquema, eles fechavam a concessionária e abriam em outro local. A empresa funcionava inicialmente na BR-230, depois foi para o Bairro dos Estados, e atualmente estava sem sede física, mas as negociações fraudulentas continuavam acontecendo”, completa Lucas Sá.

Ainda segundo o delegado, 15 pessoas foram vítimas da organização criminosa. 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas