Preso mais um suspeito de aplicar golpes na venda de carros junto com empres?rio

0
COMPARTILHE

Mais uma pessoa foi presa suspeita de participar de golpes na venda de carros em João Pessoa. Depois do empresário Alexandro Fonseca, de 40 anos, preso nessa quarta-feira (10), também se apresentou na delegacia o educador físico Anselmo Augusto Moreira Junior, 33 anos, se apresentou nesta quinta-feira (11) na Central de Polícia da Capital. Segundo a Polícia Civil, estima-se que os golpes tenham causado prejuízo de R$ 800 mil às vítimas. A identificação dos presos foi divulgada pela Secretaria de Comunicação do Estado.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Segundo o delegado Lucas Sá, da Delegacia Especializada em Defraudações e Falsificações, Anselmo Augusto foi preso após se apresentar à Central de Polícia da Capital.

De acordo com o delegado, ele agia junto com o empresário Alexandro Fonseca, que já responde a vários inquéritos relacionados à negociação de imóveis e à emissão fraudulenta de cheques bancários em João Pessoa.

Já o suspeito foi preso em casa, na quarta (10), no bairro do Bessa, em João Pessoa. Na propriedade, foram encontrados documentos de carros, notas promissórias e cheques que somam quantia superior a R$ 300 mil. Alexandro Fonseca foi levado para a Central de Polícia, no bairro do Varadouro. Ele deve ser transferido para a Penitenciária Flósculo da Nóbrega, no Roger, nesta quinta-feira (11).

Leia também: 

* Falso engenheiro é preso suspeito de fraudar locação de veículos e ganhar até R$ 900 mil 

Ao Portal Correio, o delegado informou como agia a quadrilha: “Eles vendiam carros que clientes deixavam na concessionária deles, mas dizia que não tinham conseguido vender. Só que o recibo de transferência do veículo para o comprador era feito de forma fraudulenta”, explica.

“Quando os verdadeiros proprietários começavam a cobrar os envolvidos no esquema, eles fechavam a concessionária e abriam em outro local. A empresa funcionava inicialmente na BR-230, depois foi para o Bairro dos Estados, e atualmente estava sem sede física, mas as negociações fraudulentas continuavam acontecendo”, completa Lucas Sá.

Ainda segundo o delegado, 15 pessoas foram vítimas da organização criminosa. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas