Procurador vota pelo arquivamento de denúncia contra ‘fio preto’ na Energisa

210
0
COMPARTILHE

O procurador de Justiça José Roseno Neto, que integra o Conselho Superior do Ministério Público do Estado da Paraíba (CSMP), votou pela homologação do arquivamento do inquérito civil público instaurado pelo 1° promotor de Justiça de Defesa do Consumidor de João Pessoa, Glauberto Bezerra, para apurar denúncia de que a Energisa Paraíba estaria premiando funcionários que fraudassem medidores de energia das unidades consumidoras, com o objetivo de lucrar com a recuperação de consumo de energia elétrica supostamente desviada.


Leia também: TAC da Energisa com MP-Procon será apreciado no Conselho Superior do MPPB

O voto do conselheiro-relator será submetido aos demais membros do Ministério Público da Paraíba (MPPB) que integram o CSMP para avaliação. A apreciação da matéria deverá ser feita em reunião do colegiado em data ainda a ser definida.


Leia mais Notícias no Portal Correio

No parecer, o procurador afirmou que optou pelo arquivamento das denúncias após averiguar Boletins de Ocorrência registrados na polícia; ler cópias de audiência pública na Câmara Municipal de João Pessoa; procedimentos instaurados nos Procons; ler depoimentos de funcionários e ex-funcionários da Energisa e outros documentos considerando que não existiram ações violadoras à liberdade de trabalho e por não comprovação das denúncias.

“O que ficou provado nos autos foi que a distribuidora de energia violou os deveres de informação, decorrentes do princípio da transparência da relação de consumo, já que existem reclamações de que os usuários, muitas vezes pessoas de pouca instrução, não eram informados da possibilidade de solicitar e acompanhar perícias em seus medidores e de que só recebiam a notificação do procedimento, quando eram cobrados os valores calculados pela empresa. Por conta disso, foi celebrado o termo de ajustamento de conduta (TAC), conforme orienta a Resolução 4/2013 do Colégio de Procuradores de Justiça do MPPB”, informou o MPPB.

Com o TAC, a Energisa-PB se comprometeu a melhorar as informações prestadas a seus clientes e a observar a legislação consumerista, bem como a Resolução 414/2010 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), principalmente no que diz respeito a procedimentos de caracterização de irregularidades e recuperação de energia.

O TAC também estabeleceu o pagamento de multa no valor de R$ 800 mil, que foram destinados à Fundação Escola Superior do Ministério Público (Fesmip), ao Instituto São José e ao Fundo Especial de Defesa do Consumidor do MPPB, dentro das normas legais.

O conselheiro-relator destacou que a existência do TAC não impede a propositura de ação indenizatória pelo consumidor que se considerar prejudicado com a atuação da Energisa-PB ou de seus prepostos, podendo, ainda, ter amplo acesso ao inquérito civil público, conforme prevê o princípio da publicidade.

O procurador de Justiça finaliza seu voto registrando que, depoimentos prestados por ex-funcionários da Energisa-PB indicam a possível prática de delitos praticados por funcionários e ex-funcionários da empresa, merecendo uma melhor investigação por parte da polícia judiciária, para onde serão encaminhadas e remetidas cópias de documentos do processo à Secretaria de Segurança e Defesa Social para a adoção das medidas pertinentes.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas