P?tria

5
0
COMPARTILHE

Qual o maior sentimento que um coração humano pode nutrir?

De um brasileiro, a resposta mais óbvia é o amor dos pais pelos filhos. E, ainda, o sentimento de autodefesa – aquele que atende a uma das ordens mais imperiosas da natureza: a própria preservação.

Mas experimente fazer essa mesma pergunta para um americano ou alemão. E se prepare para se surpreender com a resposta.

De antemão, aviso: muitos deles – diria até a maioria – responderão de pronto: patriotismo.

Neles, o amor à pátria é tão profundo que pais liberam filhos para a guerra. E jovens abrem mão da própria vida em batalhas sanguinárias para defender os interesses do País.

Esta entrega soa profundamente estranha aos ouvidos dos brasileiros. E por um único e infeliz motivo: não somos patriotas.

Não temos amor real – tampouco incondicional – por este gigante que não ousa acordar de sua imersão profunda para cobrar e punir aqueles que teimam em destruir este grande país.

Essa permissividade mexe com o respeito e a admiração dos brasileiros pelo Brasil. Sem orgulho, se instala o desamor.

Onde estão as vozes que entoavam “eu te amo meu Brasil”?

Caladas, emudecidas pelas pilhagens políticas, pelos escândalos, pela impunidade, pelo salve-se quem puder.

A perda do sentimento cívico pode até ser imaterial, mas é absolutamente palpável. E se manifesta de forma pragmática. Neste momento de crise, por exemplo, engrossa a corrente dos que torcem pelo quanto pior melhor.

Até mesmo o esporte – que em passado recente reunia uma nação envaidecida com o verde e amarelo pelos gramados – reflete atualmente essa sensação plural de desamor.

Constrange ver nossos atletas, até na hora da execução do Hino Nacional, exibirem emoção meramente protocolar – perdendo o desafio antes mesmo da partida começar, movidos apenas pelo mercantilismo.

Quem diria que aquela garra viraria mercenarismo puro e simples?

Pior: quem imaginaria que, neste começo de século, depois de tantas glórias e orgulhos, só reencontraríamos aquela entrega apaixonada – derramando sangue, suor e lágrimas pela camisa pátria – ao espiar os gramados dos vizinhos?

É difícil admitir, mas a verdade é que a indiferença dos nossos atletas é apenas um espelho.

Nele, se enxerga toda uma nação.

Um bando de gente indiferente, ressentida com os desmandos, envergonhada com o próprio País.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas