Reitor da UEPB evita fazer debates na greve e diz que n?o pode aumentar sal?rios

4
0
COMPARTILHE

O reitor da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Rangel Júnior, disse em entrevista divulgada nesta sexta-feira (7) que não pode conceder o reajuste de 8% exigido pelos técnicos administrativos e professores da instituição, em greve desde março e maio deste ano, respectivamente. Ele falou ainda que não há mais tempo de se reverter os prejuízos acadêmicos provocados pela interrupção nas atividades.

Leia mais Notícias no Portal Correio

“O nosso orçamento não permite atender a esta reivindicação. No orçamento disponível para a Universidade hoje não cabe nem 1%, porque o orçamento de pessoal disponível para 2015 é menor do que o total executado em 2014. Então, ele inviabiliza de fato […] O que nós podemos fazer é implantar aquilo que está previsto em lei. Foi o que fizemos”, disse ele ao ser questionado sobre a condição dos aumentos exigidos.

Segundo Rangel Júnior, o orçamento da UEPB definido em 2014 para 2015 já revia que não seria possível arcar com todos os custos da instituição. “O orçamento que havia sido proposto era de R$ 358 milhões. A despesa de pessoal estava prevista para R$ 270 milhões. Portanto, era mais do que a Universidade haveria de gastar se implantar o reajuste de 6,41%. O orçamento que propusemos daria cobertura justamente para esse percentual, mas não foi aprovado”, afirmou.

Para tentar evitar problemas financeiros em 2016, o reitor da UEPB explicou que as discussões sobre o orçamento do próximo ano já estão sendo feitas, mas se a proposta orçamentária para 2016 não contemplar um montante da despesa de pessoal que envolva um reajuste, quando chegar em 2016 o problema estará posto da mesma forma.

“A discussão sobre o reajuste de 2016 está pautada e precisa ser posta no âmbito da negociação do orçamento, da negociação da legislação ou do ajuste que deve ser feito à lei que define critérios de repasse de recursos para a UEPB. Estamos presos a uma discussão de janeiro de 2015 e enquanto isso a discussão de janeiro de 2016 está posta e as pessoas estão passando ao largo. Quando chegar janeiro de 2016 não teremos as condições necessárias para implantar reajuste nenhum caso o orçamento não defina desde já”.

Apesar de defender a reivindicação das categorias e considerá-las justa, Rangel Júnior disse que não concorda em fazer debates no meio do movimento. “Para fazer esse debate é melhor que ele aconteça sem greve, porque a greve não ajuda, você junta 20, 30 pessoas no máximo. Eu não me sinto à vontade politicamente para convocar estudantes, professores e técnicos para fazer um debate orçamentário no meio de uma greve “.

A entrevista é longa e aborda vários pontos acerca da situação atual da UEPB. Você pode lê-la na íntegra clicando aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas