Revela??o e Mirandinha encerram Extremo Cultural com pagode e samba, em Jo?o Pessoa

34
0
COMPARTILHE

A última noite do projeto Extremo Cultural – Onde o Som Toca Primeiro promete puxar uma animada roda de samba e pagode no Busto de Tamandaré, na praia de Tambaú, neste sábado (31). Com dois milhões de álbuns vendidos em 20 anos de estrada e campeão de execução nas rádios, o Grupo Revelação sagra-se entre os mais populares do gênero e volta à cidade com uma turnê de retrospectiva de sucessos. A abertura, às 20h, fica por conta do sambista Mirandinha, acompanhado da banda Pura Raiz.

Leia mais notícias de Entretenimento no Portal Correio

A apresentação do sexteto carioca faz parte da turnê “20 Anos de Revelação”, num passeio por sucessos, como “Só Vai de Camarote”, “Fala Baixinho”, “Mulher Traída”, “Ô, Queiróz”, “Velocidade da Luz”, “Coração Radiante”, “Grades do Coração” e “Deixa Acontecer”. O set do show também inclui homenagens a outros nomes do samba, como Benito di Paula, em “Além de tudo”, “Retalhos de cetim” e “Charlie Brown”.

A formação tem Beto Lima (violão), Mauro Júnior (banjo), Artur Luis (reco-reco), Rogerinho (tantã), Sérgio Rufino (pandeiro) e Sidinei Irineu, o Almirzinho (vocal), que substituiu Xande de Pilares depois da sua saída, em dezembro, após mais de 20 anos com o grupo. Almirzinho é filho do “Rei do Pagode”, Almir Guineto.

O sexteto começou a carreira em 1994, no subúrbio do Rio de Janeiro. Foi descoberto em 1997 pelo produtor musical Bira Haway, que decidiu lançá-los no mercado fonográfico. Contratados pela BMG Brasil, gravaram os álbuns “Revelação” e “Virou Religião”. Em 2001, trocaram de selo (para a Deck Disc), onde lançaram “Ao vivo no Olimpo”, com inéditas e versões de clássicos do samba, e “O show tem que continuar”, de Arlindo Cruz, Luiz Carlos da Vila e Sombrinha.

A aparição na TV ao lado do craque Ronaldinho Gaúcho, durante a Copa vitoriosa de 2002, projetou o Revelação nacionalmente e fez as vendas de discos explodirem. Os músicos lançaram então “Ao vivo na palma da mão” e “Ao vivo no morro”, em 2009, e dois anos depois, numa parceria com a gravadora Universal, a continuação, “Ao vivo no Morro da Urca 2” e “Revelação 360°”.

Mirandinha

Mirandinha volta ao Extremo Cultural com a banda Pura Raiz para investir num repertório de sambas-raiz, sambas-enredo e partido alto que cantará ao lado do parceiro, Kojac. Ele se prepara para lançar o primeiro CD autoral, “Salve o Negro, Salve o Samba”, que produziu com Kojac, Potyzinho Lucena e Ricardo de Carminha. Neste show, tocará também versões de Zeca Pagodinho (“Maneiras”), Martinho da Vila, Leci Brandão (“Zé do Caroço”) e até de Luiz Gonzaga (“Asa Branca”) e Raul Seixas (“Maluco Beleza”), só que em ritmo de samba.  

Paulista de Flora Rica, Luiz Antônio de Lima começou a carreira aos 14 anos, tocando em bares e eventos da sua cidade natal e região, onde trabalhou como bancário. Sendo filho de nordestinos, nunca escondeu o sonho de se mudar para João Pessoa – o que conseguiu em 1989. Dois anos depois, conheceu o músico Jorge Flávio (hoje falecido) que lhe apresentou as rodas de samba. Logo a dupla começou a se apresentar em barracas à beira-mar.

Em meados dos anos 1990, surge o grupo Mirandinha e Samba da Paraíba, resultado da união de amigos e músicos paraibanos independentes. De lá para cá, Mirandinha já abriu shows para artistas como Jorge Aragão, Mart’nália, Martinho da Vila e o grupo Sambô. Em junho de 2013, participou da São Paulo Exposamba com a música “Salve o Negro, Salve o Samba”, que ficou em 11º lugar entre as 1200 músicas inscritas de todo o Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas