Saiba próximos passos do processo contra acusado de matar Diogo Nascimento

30
COMPARTILHE

A prisão preventiva de Rodolpho Gonçalves Carlos da Silva, acusado de atropelar e matar o agente de trânsito Diogo Nascimento, no dia 21 de janeiro durante uma blitz da Lei Seca em João Pessoa, pode ser decretada ou não nos próximos dez dias. Esse é o prazo estipulado para que a Polícia Civil entregue à Justiça os laudos periciais do crime e a defesa de Rodolpho Carlos se manifeste no processo para que o juiz Marcos William, titular do 1º Tribunal de Júri da Capital, decida sobre o caso. Veja abaixo os próximos passos do caso Diogo.


Leia também: TJ não julga habeas corpus de Rodolpho e joga decisão sobre prisão para Tribunal do Júri

Ao Portal Correio, o juiz Marcos William contou que a decisão desta terça-feira (7) sobre a ‘perda do objeto do habeas corpus’ de Rodolpho Carlos o deixa livre para proferir uma decisão sobre a prisão preventiva, porém, ele depende de novas peças do processo para se posicionar.


Leia mais Notícias no Portal Correio

“A decisão da Câmara Criminal elimina a prisão temporária. Agora, a análise é sobre a prisão preventiva. Estou aguardando que o delegado do caso [Reinaldo Nóbrega] entregue o resto do inquérito, que são os laudos periciais, e que a defesa se pronuncie. Quando eu tiver todos esses elementos, ou seja, com o processo concluso, o que deve levar entre oito e dez dias, teremos uma visão geral do processo para saber se decretamos a prisão preventiva”, contou o juiz.

Ainda segundo o juiz Marcos William, a partir do momento em que o processo concluído estiver em mãos, ele tem um prazo regimental de 48 horas para proferir uma decisão.

“A partir do momento em que o processo esteja completo e entregue, todo e qualquer juiz tem 48 horas para fazer um despacho. Levando em consideração que eu tenho 1,8 mil processos ativos não tenho como ter uma previsão. O interesse é concluir o mais depressa, como fizemos nos casos Fátima Lopes, da família Ramalho e Aryane Thais. Irei buscar dentro do processo elementos para ver se o pedido [de prisão] do Ministério Público tem ressonância. Independentemente se houver decretação da prisão ou não o processo continua”, afirmou o juiz.


Laudos devem sair nesta quarta

Delegado do caso, o titular da Delegacia de Homicídios de João Pessoa, Reinaldo Nóbrega, afirmou que recebe nesta quarta-feira (8) os laudos do Instituto de Polícia Científica (IPC) sobre a reconstituição do crime. Após serem entregues, os laudos devem ser encaminhados pela polícia para o 1º Tribunal do Júri.

“O IPC me garantiu que amanhã [nesta quarta-8] o laudo estará em minhas mãos. Pela dinâmica dos fatos que foram apresentados, ficou claro que entre o carro de Rodolpho e Diogo ainda existia um segundo agente de trânsito, que ao ver a aceleração do carro de Rodolpho pulou na calçada para salvar sua vida. Acho que se ele não tivesse pulado ele teria sido atropelado”, contou Reinaldo Nóbrega.


Defesa aguarda laudos

Ao Portal Correio, o delegado de Rodolpho Carlos da Silva, José Ideltônio Moreira Júnior, afirmou que aguarda a divulgação dos laudos para que a defesa do réu se pronuncie.

“O que podemos dizer é que vamos esperar o trâmite natural e analisar o que o laudo diz. As investigações não cessaram e houve denúncia sem o fim das investigações. Esperamos a formalização para que possamos nos manifestar”, afirmou o advogado.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas