Servidores do Judici?rio fazem manifesta??o em frente ao Pal?cio do Planalto

25
0
COMPARTILHE

Servidores do Judiciário começaram a se reunir em frente ao Palácio do Planalto por volta das 10h. Assim como em outras manifestações, houve buzinaço e os funcionários usaram cornetas para reivindicar da presidente Dilma Rousseff a sanção do projeto de lei que reajusta o salário da categoria entre 53% e 78,56%, dependendo da classe e do padrão do servidor. A presidente tem até o final do dia desta terça-feira (21) para decidir a questão.

Leia mais Notícias no Portal Correio

A Polícia Militar fez um cordão de isolamento para impedir que os servidores ocupem a pista em frente ao Palácio do Planalto. De acordo com a Federação Nacional dos Trabalhadores do Judiciário Federal (Fenajufe) e com o Ministério Público da União (MPU), está previsto um ato, a partir das 15h, na Praça dos Três Poderes, seguido de uma vigília que deve durar até a manhã de quarta-feira (22). Os servidores, em greve desde o dia 9 de junho, têm feito várias manifestações em prol do reajuste, mesmo antes da votação no Congresso.

Autoridades do governo já sinalizaram que o reajuste deve ser vetado pela presidente Dilma. Nessa segunda-feira (20), o ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa, declarou que uma sanção fugiria do ajuste fiscal proposto pelo governo, mas não fechou as portas para conversas com a categoria. “O reajuste [do Judiciário] não se diz compatível com o ajuste fiscal. A tendência é vetar, mas, independentemente dessa decisão, continuamos fazendo as negociações.”

Na última quinta-feira (16), em um dos atos em frente ao Palácio do Planalto, o coordenador-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário do Distrito Federal (Sindijus), José Alves, disse que há uma mobilização para que os parlamentares derrubem um provável veto. “Caso haja o veto, já estamos com um grupo de servidores dentro do Congresso Nacional coletando assinaturas. Até o momento, temos 302 assinaturas de deputados e 45 de senadores solicitando a sanção ao governo.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas