Servidores do Judici?rio protestam em defesa de san??o de reajuste salarial

27
COMPARTILHE

Aos gritos de “Sanciona, Dilma” e com muito buzinaço, um pequeno grupo de servidores do Poder Judiciário fez um protesto nesta terça-feira (6) em frente ao Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República, para que a presidente Dilma Rousseff sancione o projeto de lei que concede reajuste médio de 59% aos servidores da categoria, aprovado por unanimidade pelo plenário do Senado no dia 30 de junho.

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

Os servidores aproveitaram para protestar antes da reunião convocada por Dilma com os presidentes de todos os partidos políticos da base aliada do governo. O encontro, que não estava previsto até o início desta tarde na agenda oficial da presidente, também terá a participação dos líderes dos partidos de apoio ao governo.

A diretora do Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário e do Ministério Público da União no Distrito Federal (Sindjus), Eugênia Lacerda, disse que o protesto é a favor da reposição salarial da categoria. “Estamos há quase dez anos sem reposição. Estamos aqui protestando para que a Dilma sancione o projeto. Onde ela estiver, nós vamos atrás dela.”

Na viagem aos Estados Unidos na semana passada, a presidente classificou de “lamentável” a aprovação do reajuste médio de 59,49% para o Judiciário. “É insustentável um país como o nosso, em qualquer circunstância, dar níveis de aumento tão elevados”, destacou Dilma, sem adiantar se vetará a proposta.

O reajuste de 59% a 78% terá impacto de R$ 25,7 bilhões nos cofres públicos até 2018, informou o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Em nota, a pasta classificou o reajuste de indefensável e informou que o governo buscará construir uma proposta alternativa.

Representantes da Secretaria-Geral da Presidência informaram que uma comissão de servidores será recebida no Ministério do Planejamento na quinta (9) ou na sexta-feira (10).

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas