Sindipetro diz que gasolina ser? reduzida na Para?ba; Petrobras nega

16
0
COMPARTILHE

O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Derivados de Petróleo no Estado da Paraíba disse nessa quinta-feira (9) que o Porto de Cabedelo, na Grande João Pessoa, iria ter a cabotagem de combustíveis reduzida pela metade, o que acarretaria alta nos preços dos derivados de petróleo na Paraíba. A Petrobras negou e a administração do Porto disse que não recebeu nada da estatal sobre esse assunto.

Leia mais Notícias no Portal Correio

Cabotagem é a navegação com troca de mercadorias de um porto a outro, no mesmo país, em trajetos curtos, e ocorre para reduzir custos e tornar mais eficiente a logística na distribuição de produtos.

Segundo o Sindipetro, essa medida de reduzir pela metade a cabotagem em Cabedelo teria sido acertada durante reunião em Recife (PE) e passaria a valer a partir de setembro deste ano.

O presidente do Sindipetro-PB, Omar Hamad Filho, informou que isso iria provocar uma queda estimada de até R$ 3 bilhões por ano na movimentação econômica do complexo portuário e que essa parte da cabotagem que seria cortada da Paraíba passaria a ser feita no Porto de Suape em Pernambuco.

A Companhia Docas, que administra o Porto de Cabedelo, disse que a Petrobras não repassou que metade da cabotagem deixaria de ser feita na Paraíba e reforçou que o terminal teve movimentação recorde em junho, com crescimento de 46%. “A perspectiva é de resultados ainda maiores nos próximos meses”, disse o presidente da Docas, Lucélio Cartaxo, ao Portal Correio.

Por meio de nota, a Petrobras negou a informação e disse que a forma de distribuição de gasolina e do diesel em Cabedelo, Suape (PE) e Maceió (AL) não será alterada.

Entretanto, a Petrobras revelou que há planos para uma oferta maior de produtos a partir da Refinaria Abreu e Lima (RNEST) em médio prazo.

A Petrobras finalizou afirmando ainda que “o local de aquisição dos produtos para suprimento dos mercados é uma opção das companhias distribuidoras, considerando a logística de cada empresa e os aspectos tributários envolvidos”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas