STF manda dar posse a deputado que Cunha tentou barrar

0
COMPARTILHE

Está prevista para esta quarta-feira (6) a posse de Átila Alexandre Nunes Pereira (PMDB-RJ), suplente do deputado Ezequiel Teixeira (PMB-RJ). Teixeira foi convocado para a Secretaria de Direitos Humanos e Assistência Social do Estado do Rio de Janeiro. Segundo informações da Secretaria-Geral da Mesa da Câmara dos Deputados, Átila será empossado pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Leia mais notícias de Política no Portal Correio

No mês passado, Nunes recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tomar posse como suplente em mandato de deputado federal. No dia 29, o presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, concedeu liminar em mandado de segurança durante o plantão da Corte, de modo a assegurar a posse de Nunes.

No mandado de segurança, Átila Nunes informou que Cunha estaria se negando a empossá-lo. Segundo Nunes, o presidente da Câmara alegou que a posse estaria condicionada à comprovação de sua compatibilidade com o cargo, uma vez que o suplente exercia o mandato de vereador no Rio de Janeiro.

Em outro argumento, Eduardo Cunha afirmou que, conforme a Constituição Federal, deputados não podem ser titulares de mais de um cargo ou mandato público eletivo. De acordo com o STF, na ação, Nunes sustenta que o afastamento temporário do cargo de vereador para assumir a vaga de deputado federal foi autorizado pela Câmara de Vereadores do Município do Rio de Janeiro.

O presidente do STF entendeu que as restrições previstas na Constituição não se estendem ao suplente. “Levando-se em consideração que suplente não é detentor de mandato, que o exerce apenas durante um período da legislatura, aparentemente a ele não se aplicariam algumas das restrições constantes no texto constitucional.” O texto lembrou ainda que a situação é diferente de casos em que o suplente assume a vaga em caráter definitivo.

Na decisão, Ricardo Lewandowski deferiu a medida liminar determinando ao presidente da Câmara a posse imediata de Átila Nunes “no mandato de Deputado Federal, em face do afastamento do titular da vaga, deputado Ezequiel Teixeira, até que a ministra relatora possa, após o recesso, examinar com mais verticalidade a decisão acauteladora”. A ministra Cármen Lúcia é a relatora do processo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas