Tesouro Nacional diz que Dívida Pública tem redução de 0,07%

4
0
COMPARTILHE

A Dívida Pública Federal teve redução de 0,07%, em termos nominais, passando de R$ 2,958 trilhões em junho para R$ 2,956 trilhões em julho. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (26) pelo Tesouro Nacional. O endividamento do Tesouro pode ocorrer por meio da oferta de títulos públicos em leilões, pela internet (Tesouro Direto) ou pela emissão direta (com destinação específica).

Leia mais Notícias no Portal Correio

O aumento da dívida do Tesouro Nacional também pode ocorrer pela assinatura de contratos de empréstimo. Nesse caso, o Tesouro toma empréstimo de uma instituição financeira ou de um banco de fomento.

A Dívida Pública Mobiliária Federal interna (DPMFi) teve o estoque reduzido em 0,20% e passou de R$ 2,837 trilhões para R$ 2,832 trilhões. A DPMFi é a dívida pública federal em circulação no mercado nacional. Ela é paga em reais e captada por meio da emissão de títulos públicos.

Resgate líquido de R$ 33,48 bilhões

O motivo da redução foi o resgate líquido, de R$ 33,48 bilhões, realizado pelo governo, compensado pela apropriação positiva de juros, no valor de R$ 27,76 bilhões.

Por outro lado, a Dívida Pública Federal Externa (DPFe) registrou, em julho, aumento de 2,97% em comparação ao resultado do mês anterior, chegando a R$ 124,36 bilhões, equivalentes a US$ 38,40 bilhões, dos quais R$ 114,28 bilhões (US$ 35,28 bilhões) referem-se à dívida mobiliária (títulos) e R$ 10,08 bilhões (US$ 3,11 bilhões), à dívida contratual.

Segundo o Tesouro Nacional, a variação ocorreu devido à emissão líquida ocorrida no período e os juros incorporados à dívida. DPFe é a dívida pública federal existente no mercado internacional.

Os dados de agosto ainda não foram divulgados pelo Tesouro Nacional. De acordo com o Plano Anual de Financiamento (PAF), o governo estima a Dívida Pública Federal, em 2016, entre R$ 3,1 trilhões e R$ 3,3 trilhões.

Datas serão regularizadas

Márcia Fernanda Tapajós, coordenadora de Operações da Dívida Pública do Tesouro Nacional, não descarta a revisão do PAF com base nos dados até agosto. Ela disse nesta segunda (26) que, a partir do dia 24 de outubro, as datas para a divulgação do relatório da dívida pública serão “regularizadas”. O relatório de agosto, informou, deverá ser divulgado antes desta data.

Márcia negou que o atraso na divulgação dos números seja devido ao movimento dos servidores do Tesouro que pedem o mesmo reajuste conseguido pelos auditores fiscais da Receita Federal. “Não houve e não há greve no Tesouro. O que houve foram paralisações. Na verdade, assembleias, não diria paralisações, [mas] assembleias normais onde todos os servidores participaram. Foram assembleias com horários definidos e, em função das assembleias, nós acabamos com alguns atrasos. Reitero: Não houve e não há greve no Tesouro”, disse.

Leia mais notícias em portalcorreio.com.br, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Portal Correio pelo WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your name here
Please enter your comment!

Notícias mais lidas