Início Geral

517

O Brasil completou ontem 517 anos.

Há nove dias no Peru, contemplo à distância o nosso País – e a data – com uma sensação inquietante no peito.

Duas questões martelam minha mente neste instante:

Meu fanatismo patriótico tem me deixado cego em relação ao Brasil?

E sendo rigorosamente honesto, podemos ou temos o que comemorar nestes cinco séculos e 17 anos?

A verdade é que sinto saudade de todos – filhos, netos, companheiros de trabalho, amigos. Mas não sinto saudade do Brasil.

Pois, sendo mais honesto ainda, é muito bom – alentador mesmo – a sensação de segurança que experimento em terras peruanas – fenômeno supostamente simples, mas em falta no cenário brasileiro.

Uma pena!

Pois, de fato, a segurança nos tem sido sistematicamente subtraída. E é preciso cruzar a fronteira para usufruir de alguma dose de liberdade.

Em todo o Peru esta sensação é vivida e comprovada com plenitude – desde sua capital Lima, com seus 10 milhões de habitantes, até em vilarejos como o Águas Calientes.

Pais de dimensões pequenas em relação ao gigantismo do Brasil (com pouco mais de 30 milhões de habitantes, o equivalente a 15% da população brasileira), o Peru faz o seu dever de casa.

E desponta, atualmente, como expoente do turismo mundial em todos os níveis.

Não sem uma inconfessável pontada de inveja, tenho que admitir: o Peru está bombando!

Artesanato de qualidade e bom gosto irresistível; belezas naturais imperdíveis. E, principalmente, cultura milenar fantástica.

Será que estaria aí – na cultura – a origem de tudo?

Quando há 517 anos os portugueses chegaram – cheios de más intenções – ao Brasil, nossos índios estavam nus, nômades, sem nenhum traço cultural relevante.

Já os espanhóis encontraram cenário melhor ao chegarem ao Peru, se deparando com cidades que se assemelhavam, à época, as europeias.

A civilização Inca, por exemplo, já era sofisticada.

A agricultura dispunha de técnicas modernas, como a desidratação dos grãos para permitir a sua estocagem por anos.

Os projetos das cidades previam água límpida e corrente em suas ruas.

Não sem razão, os espanhóis ficaram de queixo caído. Esperando encontrar o primitivo (análogo ao que os patrícios acharam no “novo mundo”), depararam com práticas de primeiro mundo.

O que me faz insistir: será que nosso erro é de origem?

O agigantamento dos nossos males vem desde a nossa colonização?

O certo é que a dimensão do desmando brasileiro é proporcional ao nosso tamanho.

O que me leva de volta a minha dor de cotovelo despertada pela grandeza civilizatória do Peru.

E a este inequívoco (e absurdamente desconfortável) sentimento de pena em relação ao nosso tão querido aniversariante.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.