Moeda: Clima: Marés:
Início Notícias

Ações e atendimentos gratuitos na PB ajudam a prevenir suicídio

O suicídio é uma das principais causas de morte no país, ocorrendo em sua maioria entre jovens na faixa de 15 a 29 anos, segundo o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM). Na busca pela redução dos casos de suicídio no mundo, a OMS definiu a data de 10 de setembro como o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio.

Leia também:

O assunto é uma preocupação permanente, mas durante o mês de setembro ganha uma visibilidade maior. As ações e os atendimentos gratuitos ajudam no combate e podem ser determinantes para evitar o suicídio. Órgãos estaduais e municipais, instituições de ensino, hospitais, além da plataforma Twitter, oferecem suporte voluntário. Acompanhe abaixo.

Twitter e o compromisso com a prevenção do suicídio 

Alguns estudos associam o uso frequente de redes sociais com impactos negativos na saúde mental, principalmente no desenvolvimento de depressão e ansiedade. Outras análises, porém, mostram que interações positivas, apoio e conexão social nessas plataformas estão associados a baixos níveis de depressão e ansiedade.

“O uso das redes sociais amplificou uma forma de funcionamento que já existia, mas ainda sem consequências tão chocantes: a sociedade do espetáculo e o viver de aparências. No entanto, a exacerbação desses fenômenos no âmbito das redes sociais se tornou praticamente um sintoma de incontáveis pessoas que vivem em função de curtidas e seguidores. Somando-se a isso, temos: a falta de tolerância à diferença, à frustração e ao fracasso; e a falta de sentido, pois nos acostumamos a querer tudo pronto e para ontem. O resultado é o aumento dos transtornos psicológicos e, consequentemente, dos suicídios”, explicou a especialista e professora de Psicologia da Unifacisa, Renata Oliveira.

É fato que as redes sociais têm presença significativa em nosso dia a dia e pode ser nelas que as pessoas vão buscar informações quando estão passando por um momento difícil. Pensando nisso, o Twitter lançou em 2018 o serviço de notificação #ExisteAjuda para dar apoio a quem procura por “suicídio” ou palavras relacionadas em seu site.

A busca por termos desse tipo no Brasil resulta na indicação do serviço do Centro de Valorização da Vida (CVV), organização que oferece atendimento voluntário e gratuito 24 horas por dia para quem está com pensamentos suicidas ou enfrenta outros problemas.

As iniciativas incluem a ampliação do serviço de notificação para dar apoio às pessoas que usam a plataforma e o lançamento de um emoji exclusivo em parceria com a Associação Internacional para a Prevenção do Suicídio (International Association of Suicide Prevention, em inglês).

No Brasil, o perfil do Centro de Valorização da Vida (CVV – @CVVoficial) receberá do programa Ads For Good créditos gratuitos para que possa promover e ampliar o alcance de seus conteúdos no Twitter, dando mais visibilidade à data e ressaltando sua importância.

O serviço visa dar suporte às pessoas que possivelmente estejam em situação de risco de suicídio ou automutilação, encorajando-as a procurar ajuda de entidades competentes na área. Na prática, quando alguém fizer uma busca no Twitter por termos associados ao tema, o primeiro resultado, apresentado no topo da lista, será uma notificação incentivando a procura por apoio.

O Twitter possibilita também que pessoas alertem sobre alguém que possivelmente esteja em situação de risco de suicídio ou automutilação por meio de um formulário. As denúncias são avaliadas por uma equipe de profissionais que informa o usuário sobre o relato recebido, fornece os recursos disponíveis e incentiva a procura de apoio. Além disso, a Central de Ajuda da plataforma traz mais informações sobre o assunto.

“Os sinais incluem: apatia, isolamento social, humor deprimido, ideias mórbidas e negativas, desistência de projetos e expressões como ‘eu só queria sumir’, ‘não aguento mais essa vida’ e ‘preferia estar morto(a)’, que são sinais de alerta para o risco de tentativas de suicídio. O certo é fazer com a pessoa se sinta acolhida, ouvi-la, abraçá-la e providenciar ajuda profissional com psicólogos e psiquiatras”, finalizou a professora.

Ações

Secretaria de Saúde da Paraíba (SES)

A Rede de Atenção Psicossocial é um amplo dispositivo diretamente ligado à Prevenção e Cuidados sobre o Suicídio. As ações nas RAPS durante todo o ano aprofundam reflexões e ações importantes.

Neste intuito, a Secretaria de Estado da Saúde, através da Coordenação Estadual de Saúde Mental em Parceria com a Residência Multiprofissional em Saúde Mental, realiza, na próxima terça-feira (17), a ‘Hora da Fala – Porque agora é tempo de pedir ajuda‘, das 08h30 às 15h30, no hall do bloco de Ciências Jurídicas – Campus I da Universidade Federal da Paraíba.

Na ação, será oferecida Plantão Aberto de Escuta individual, grupos de apoio e grupos de Práticas Integrativas Compleme  ntares, além da realização da Roda de Conversa sobre Matriciamento em Saúde Mental e Prevenção ao Suicídio (às 8h30, no auditório da CCJ), valorizando experiências exitosas no Estado.

Secretaria Municipal de Saúde (João Pessoa)

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realizou uma ação de conscientização e prevenção ao suicídio, nessa segunda-feira (9), desta vez voltada aos idosos, na Policlínica Municipal do Idoso. As atividades fazem parte da campanha Setembro Amarelo.

Para trabalhar o tema, a Policlínica do Idoso tem realizado rodas de conversas e atividades educativas junto aos usuários do serviço. “Estamos em alerta em questão ao suicídio, buscando alertar nossos usuários para a importância da vida e da procura por um apoio profissional diante de uma situação difícil”, comenta a diretora da Policlínica Municipal da Pessoa Idosa, Maria José.

“Há pouco tempo, eu e meu marido sofremos um grave acidente de carro e além dos traumas físicos, também ficou o psicológico. Ser retirado de forma repentina da rotina que tínhamos não foi fácil, estar acostumado a fazer algo e de repente precisar de alguém para fazer por nós e nos ajudar a todo o momento com coisas simples é bem difícil e mexe muito com a cabeça da gente. Não é fácil lidar, mas sei que aos poucos estamos conseguindo com bastante diálogo com o psicólogo e principalmente em casa”, comenta a professora aposentada, Marildes Lima.

A programação ao longo do mês de setembro contará com rodas de conversa nas Unidades de Saúde da Família (USF), além de palestras, oficinas, qualificações, dinâmicas de relaxamento, grupos operativos, sessões de cinema e outras atividades nos quatro Centros de Atenção Psicossocial.

UFPB

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB) tem promovido uma série de atividades de prevenção ao suicídio, em referência ao Setembro Amarelo.

O IV Seminário de Valorização da Vida acontece de 10 a 12 de setembro, no Auditório do Colégio Agrícola Vidal de Negreiros, em Bananeiras. O encontro contará com uma programação que envolve palestras, mesas-redondas e oficinas com os temas voltados para assuntos como suicídio e as inter-relações com as pressões do dia a dia.

Também serão abordados bullying, ansiedade, abusos e automutilação; causas, sintomas e caminhos para a cura da ansiedade e saúde integral em ambiente universitário; e inter-relações entre a ansiedade, a depressão e o suicídio.

O seminário também realizará uma Caminhada Pela Valorização da Vida em Solânea, Agreste Paraibano, a 130 km de João Pessoa, a partir das 14h, com concentração na Travessa 13 de Maio e com destino ao Cine Teatro Municipal.

Já no campus I, em João Pessoa, no dia 18 de setembro, ocorrerá o II Fórum Sobre Saúde Mental Estudantil, às 14, no Auditório 411 do Centro de Ciências Humanas, letras e artes (CCHLA). De acordo com a professora Silvana Maciel, as inscrições já foram encerradas.

UFCG 

Nesta terça-feira (10), Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), campus sede, preparou uma programação especial como parte da campanha nacional Setembro Amarelo. Durante todo o dia, serão realizadas atividades como palestra, tenda de orientações, exposição fotográfica e apresentações culturais para conscientizar a comunidade acadêmica sobre a questão. O evento é gratuito e teve início às 9h, no Centro de Extensão José Farias Nóbrega.

A programação foi aberta com a palestra “Saúde Mental e Qualidade de Vida”, ministrada pela psiquiatra Rafaela Almeida, da UFCG. Na sequência, haverá exposição de fotos selecionadas para a mostra fotográfica discente sobre o tema, organizada pela Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários (PRAC), por meio do Núcleo de Psicologia (NUPSI) da UFCG.

À tarde, a partir das 14h, as atividades acontecerão no Coreto em frente ao estacionamento do Bloco AB, com tenda de orientação nutricional e o “Sarau Amarelo”. Na ocasião, haverá shows da banda MariAmy & Os 27 e da cantora Jéssica Melo.

UEPB

No mês da campanha de prevenção ao suicídio, o Centro Acadêmico de Psicologia – Gestão Psicodemocracia, junto com o Núcleo Viktor Frankl de Logoterapia e com apoio da Clínica Escola de Psicologia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), promove uma série de eventos intitulada “Vamos falar sobre saúde”. A abertura acontece nesta terça (10), às 9h, no hall da Central de Integração Acadêmica, no Câmpus de Bodocongó, em Campina Grande, quando será ministrada a palestras “Saúde Mental no contexto universitário”, com a professora Lorena Bandeira Melo de Sá, da UEPB.

Além da palestra, serão prestadas informações sobre o Plantão Psicológico que é oferecido à comunidade campinense. Nos dias 24 e 26 de setembro, serão realizadas mesas redondas, no Auditório do Departamento de Psicologia, ambas com a finalidade de trabalhar a saúde mental para além do prisma universitário, abordando quatro ênfases da psicologia (Clínica, Educacional, Organizacional e Social) e a multidisciplinaridade da Psicologia.

Hospital de Trauma de João Pessoa

Há dois anos o projeto ‘Ressignificando Vidas’, implantado pelo Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, muda a vida de pacientes vítimas de tentativa de suicídio. De janeiro a agosto deste ano, foram atendidas cerca de 170 pessoas, sendo 63% do sexo feminino.

Segundo a coordenadora do Projeto, Anne Michelle Paiva, existem bons motivos para comemorar o sucesso do ‘Ressignificando Vidas’. “O projeto tem caminhado muito bem, a maior prova é de que os casos de reincidência diminuíram. Também é possível perceber a melhora da estrutura emocional do paciente. Isto nos deixa muito feliz porque, de fato, a proposta do projeto, que é dar um novo sentido à vida, tem se tornado uma realidade na nossa região”, ressaltou.

De acordo com dados do setor de Psicologia, os principais motivos que levam uma pessoa a tentar suicídio estão relacionados a conflitos interpessoais, principalmente, na família e trabalho. Neste primeiro semestre, o projeto teve a oportunidade de acompanhar 145 pacientes e todos com bom prognóstico. “Conseguimos elucidar várias questões destes pacientes, a maioria foram de ordem subjetiva”, frisou Anne Michelle.

Anne explica que devido ao aumento da demanda de pacientes, o projeto teve que ser ampliado, de seis sessões passou a acompanhar o paciente durante três meses. “O ‘Ressignificando Vidas’ é desenvolvido no Hospital de Trauma há dois anos e acompanhamos o paciente após a alta hospitalar, oferecendo apoio psicológico e psiquiátrico”, salientou.

As atividades do Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio, seguem na instituição. A equipe do setor de Psicologia montará um painel com o objetivo de tentar mediar a saúde emocional dos colaboradores de forma lúdica e interativa. Na próxima terça (17), no heliponto da unidade de saúde, será realizado um luau com os funcionários, acompanhantes e pacientes (que estejam autorizados pela equipe multidisciplinar a participarem). Dia 28, será o Dia D da campanha, quando serão realizadas várias palestras sobre o tema.

Atendimento psicológico gratuito

Saúde da PB

Na Paraíba, as ações de prevenção e atendimento às demandas que incluem tentativas de suicídio são contínuas e permanentes por meio da rede pública, feitas através dos serviços estaduais e municipais que oferecem atenção e cuidado em saúde para os casos de Saúde Mental.

A Rede de Atenção Psicossocial dispõe da articulação de pontos de atenção à saúde para pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Para questões relacionadas às tentativas de suicídio, conta com uma redeUrgência e Emergência, formada pelos seguintes pontos de atenção:

  • SAMU;
  • Sala de Estabilização;
  • UPA 24 horas;
  • Portas hospitalares de atenção à urgência/pronto socorro em Hospital Geral;
  • Unidades Básicas de Saúde.

Também pode contar com os Centros de Atenção Psicossocial – CAPS e Ambulatórios de Saúde Mental. Nesses estabelecimentos, os pacientes recebem atendimento próximo da família, assistência médica especializada e todo o cuidado terapêutico conforme o seu quadro de saúde. Quando recomendado pelo médico, o SUS disponibiliza gratuitamente medicamentos que podem auxiliar no tratamento dos pacientes.

Saúde de JP

Dentro da política de prevenção e combate ao suicídio, a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) dispõe de quatro Centros de Atenção Psicossocial (Caps), que são instituições destinadas a acolher pessoas com transtornos mentais e persistentes ou que fazem uso abusivo de substâncias psicoativas.

Esses centros substituem a internação psiquiátrica, buscando a reinserção social através do tratamento. Nos centros, os pacientes recebem acompanhamento médico e psicológico, além de participar de oficinas, grupos terapêuticos, atividades esportivas e culturais com a finalidade de integrá-los em um ambiente social e cultural junto às famílias.

Além dos centros, a Rede de Atenção Psicossocial é composta por uma Unidade de Acolhimento Infantil (UAI), Pronto Atendimento em Saúde Mental (Pasm), duas residências terapêuticas e leitos em hospitais gerais. Os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) também têm acesso a acompanhamento psicológico nas policlínicas localizadas nos bairros de Tambaú, Mandacaru, Jaguaribe, Cristo, Mangabeira, além da Policlínica da Pessoa Idosa.

Policlínica Municipal do Idoso (JP)

A Policlínica do Idoso conta com profissionais de diversas especialidades para prestar assistência integral em saúde à população idosa da Capital, entre eles assistência com psicólogos e psiquiatras.

Para o atendimento com psicólogos, a demanda é espontânea, bastando que o idoso busque a assistência diretamente no serviço. Já para atendimento com psiquiatras, o atendimento será regulado.

O local possui mais de 12 mil usuários cadastrados e, desses, aproximadamente 3 mil são atendidos mensalmente.

Na unidade, são oferecidos atendimentos ambulatoriais nas especialidades médicas: angiologia, cardiologia, endocrinologia, geriatria, ginecologia, gastroenterologia, neurologia e reumatologia. Há os atendimentos em outras áreas de saúde como enfermagem, odontologia, fisioterapia, fonoaudiologia, nutrição, psicologia, assistência farmacêutica e assistência social.  São disponibilizados, também, grupos operativos que estimulam e incentivam os participantes à convivência e recreação coletiva.

Para ter acesso aos serviços ambulatoriais, o usuário deve procurar a Unidade de Saúde da Família (USF) mais próxima, para que seja encaminhado. Já para os grupos e outros atendimentos, como nas áreas de nutrição, psicologia, fisioterapia e assistência farmacêutica, o idoso pode procurar diretamente a Policlínica.

A unidade é localizada na Praça Caldas Brandão, em prédio anexo ao Hospital Municipal Santa Isabel (HMSI). O horário de atendimento é das 7h às 11h e das 13h às 17h, de segunda a sexta-feira. O telefone é 3214-2863.

Além da Policlínica do Idoso, a Rede Municipal de Saúde atende este público também nas outras cinco Policlínicas Municipais, Unidades de Saúde da Família (USF), Centros de Práticas Integrativas e Complementares, Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e toda a rede hospitalar. São oferecidas, ainda, atividades físicas nas praças por meio do projeto João Pessoa Vida Saudável.

UEPB

O serviço escola de Psicologia da UEPB oferece a comunidade Plantão de Escuta Psicológica, Psicoterapia Individual, Avaliação Psicológica, Orientação Vocacional e Grupos Terapêuticos. Tais atividades são realizadas por estagiários, sob a supervisão de professores, àqueles que buscam o serviço espontaneamente ou por encaminhamento.

Os atendimentos, disponíveis para crianças, adolescentes e adultos, são realizados com hora marcada, exceto a Escuta Psicológica, que funciona no sistema de plantão a fim de oferecer apoio psicológico a quem necessita no momento que procura o serviço; e a Triagem, que consiste na entrevista inicial para cadastro e posterior encaminhamento para o atendimento solicitado.

O serviço escola dispõe, ainda, de Psicóloga Clínica para realizar atendimento psicológico individual e em grupo com os alunos do Curso de Psicologia da UEPB.

Além da clínica escola, a UEPB ainda conta com a Pró-Reitoria Estudantil, que é um Núcleo Psicossocial, uma equipe composta por psicólogos e assistentes sociais que busca construir uma rede de apoio em torno dos estudantes.

A equipe trabalha nos oito campus da universidade realizando atendimentos individuais, grupos terapêuticos, rodas de conversa, palestras e, quando necessário, o encaminhamento do estudante para atendimento na rede pública de saúde e assistência social.

Os atendimentos são sempre marcados com antecedência através do telefone (83) 3315-3481 ou (83) 3315-3450.

UFCG

A Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) dispões de Plantão Psicológico e Terapia de Casal, ofertados à comunidade em geral no período 2019.2. O atendimento é gratuito e realizado na Clínica Escola de Psicologia, localizada no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), no bairro de Bodocongó.

As escutas psicológicas são realizadas sem triagem, por ordem de chegada. Os pacientes poderão abordar qualquer tema de seus interesses. O objetivo é oferecer assistência psicológica no momento da necessidade, prevenindo o adoecimento psíquico e promovendo a qualidade de vida.

O atendimento é feito por estudantes de Psicologia da UFCG, em fase de conclusão da graduação, sob supervisão de professores do curso. A coordenação do serviço orienta os interessados a chegarem ao local com antecedência, uma vez que são realizados entre dois e quatro atendimentos em cada horário (cerca de 1 hora por sessão).

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (83) 2101.1855.

Plantão Psicológico

Segunda-feira – 16h às 18h;

Terça-feira – 8h às 10h e 16h às 18h;

Quarta-feira – 10h às 12h;

Quinta-feira – 12h às 16h;

Sexta-feira – 8h às 12h e 16h às 18h.

Terapia de Casal

Segunda-feira – 14h às 18h;

Terça-feira – 14h às 18h;

Quarta-feira – 8h às 12h;

Quinta-feira – 14h às 18h;

Sexta-feira – 8h às 12h.

Faculdade Internacional da Paraíba

A Faculdade Internacional da Paraíba oferece atendimento psicológico gratuito, realizado por alunos e professores do curso de Psicologia. As inscrições para triagem dos atendimentos gratuitos estão abertas desde essa segunda (9) e vão até o preenchimento das vagas, nas áreas de psicoterapia e psicodiagnóstico.

Essa é a segunda etapa de triagem, tendo em vista que os atendimentos começaram a ser oferecidos à comunidade desde junho deste ano. Ao todo são 60 vagas. O quantitativo pode ser ampliado, mediante demanda e/ou sobra de vagas. Segundo a instituição, a unidade atende pacientes também encaminhados por médicos psiquiatras do serviço público.

“Crianças, adolescentes e adultos, normalmente quando tem alguma demanda de angústia, uma ansiedade, ou sinais de depressão. Principalmente, neste mês de setembro, de combate ao suicídio, onde fazemos o alerta à comunidade para que as pessoas procurarem o auxílio de um profissional da área de Psicologia, dado qualquer sinal de conflito emocional ou psíquico “, explica Rita de Cássia Ramalho, coordenadora do curso de Psicologia da FPB.

Os interessados podem fazer o agendamento da triagem das 9h às 20h, na sala E11. O agendamento é presencial.

Dados

Paraíba

Segundo o Sistema de informação sobre Mortalidade (SIM), o número de óbitos por
suicídio na Paraíba, entre os anos de 2011 e 2019, são:

– 2011: 165
– 2012: 192
– 2013: 204
– 2014: 169
– 2015: 230
– 2016: 187
– 2017: 253
– 2018: 239
– 2019: 121*
*Nota: Dado referente ao ano 2019 é preliminar, sujeito a correção
*Pesquisa feita em 4 de Setembro de 2019.

João Pessoa

Segundo dados da Vigilância Epidemiológica de João Pessoa, a taxa de óbitos por lesão autoprovocadas, entre os residentes na Capital, passou de 3,5 por 100 mil habitantes em 2013 para 5,1 em 2018. Percebe-se que, neste período, o número de suicídio é maior entre homens do que em mulheres. De 2013 até 2018, foram registrados um total de 166 casos de suicídio, sendo 136 pessoas do sexo masculino e 30 do sexo feminino.

Do total de homens que se suicidaram neste período, 41,6% estava na faixa etária de 30 a 49 anos, enquanto 34,72 tinha 50 anos ou mais e 22,22 estava na faixa de 10 a 29 anos de idade. Entre as mulheres, 50% tinha de 30 a 49 anos, 29,41 estava com 50 anos ou mais e 20,59 tinha de 10 a 29 anos de idade.

No primeiro semestre deste ano, os Centros de Atenção Psicossocial (Caps) de João Pessoa, já atenderam 199 casos de pessoas que tentaram suicídio. O número é maior do que os atendidos nos doze meses do ano passado, quando foram 124 casos.

Ligação gratuita em todo o país

O CVV é uma associação civil sem fins lucrativos que trabalha com prevenção ao suicídio, por meio de 2.400 voluntários, que recebem uma capacitação de 40h. As chamadas acontecem em total sigilo, em um espaço de escuta acolhedor e seguro e que alivia a ansiedade e o desespero. As ligações devem ser feitas para o 188, telefone do Centro de Valorização da Vida (CVV).

Comentários

Deixe seu comentário
Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2022. Portal Correio. Todos os direitos reservados.