Afonso Pereira ? homenageado pela UFPB

23
COMPARTILHE

Uma comenda de honra ao mérito ao professor e um dos seis fundadores do Centro Universitário de João Pessoa – Unipê, prof. Afonso Pereira da Silva. Esta foi a homenagem entregue nessa terça (19) à esposa dele, professora Clemilde Torres Pereira da Silva, pela reitora da Universidade Federal da Paraíba – UFPB, profa. Margareth Diniz, no Arquivo Afonso Pereira – AAP, em Jaguaribe, João Pessoa. A reitora foi acompanhada da presidente da Academia Feminina de Letras e Artes da Paraíba, Bernadina Freire. Pereira foi um dos fundadores do Jornal Correio da Paraíba.

De acordo a reitora da UFPB, a comenda se deu pelos trabalhos realizados por Afonso no esforço para federalizar a Universidade da Paraíba, conquistada por meio da Lei nº3.835, de 13 de dezembro de 1960. Para ela, a homenagem ao professor também se estende aos feitos realizados por ele no âmbito da Educação do estado da Paraíba e do próprio país.

“A UFPB não podia mesmo deixar de entregar esta homenagem à Afonso Pereira por tudo que ele fez pela universidade, pela educação do nosso estado e do nosso país. Então, por ocasião dos 60 anos da UFPB, nós distribuímos algumas comendas e hoje (19) eu entrego à dona Clemilde Torres Pereira o reconhecimento desse trabalho, inclusive dela, que faz parte de toda essa história do prof. Afonso Pereira”, disse.

Antes da entrega, Clemilde comentou que escolas secundárias da Paraíba precisariam ser promovidas para federalizar a universidade. “Foi uma alegria muito grande [ter ganhado a comenda], porque eu nunca tinha sido reconhecida como uma auxiliar da UFPB, quando, na verdade, foi Afonso quem fez a federalização”, contou.

De acordo com Clemilde, à época, ela ajudou a colocar os primeiros livros da Biblioteca da Instituição. “Se não houvesse o dossiê provando que já existia um início de biblioteca não haveria a federalização.” No espaço onde foi recebida a comenda, no AAP, havia recortes de jornais sobre notícias da UFPB, o primeiro Regimento Geral da Instituição, que foi redigido pelo prof. Afonso, e ainda os nomes de todos os professores que precisavam ser enquadrados pela Federalização.

Já Bernardina Freire, que também é professora do Departamento de Ciência da Informação da UFPB, considerou que a entrega da Instituição feita dentro do Arquivo significa dar um reconhecimento ao trabalho de preservação da memória. “Eu sou professora do curso de Arquivologia da UFPB e trabalho com arquivo há aproximadamente 30 anos. O AAP é o único arquivo pessoal, estritamente privado, aberto ao público, indistintamente para pesquisa. Nesse sentido ele exerce um papel que as outras Instituições culturais deveriam exercê-lo”, discorreu.

Bernardina explicou que o espaço é uma “espécie de campo fértil” para estudar e entender as relações do indivíduo com campos como a cultura, política, economia e educação. “No caso do AAP, para compreender o campo da Educação, do Teatro, da Música, das Artes na Paraíba e no mundo, até porque Afonso Pereira manteve relação de comunicação e trabalhos feitos em parceria com grandes nomes brasileiros, nacionais e estrangeiros”, analisou.

O AAP está localizado em frente à Praça João XXIII, na rua Maximiano Chaves, no Jardim Glória, no bairro de Jaguaribe, em João Pessoa. O Arquivo é aberto ao público de segunda à sexta-feira, das 14h às 17h.

Estiveram presentes na entrega a secretária do AAP, Maria Aparecida de Almeida, a bibliotecária Rosane Lacet, a assessora especial do reitora da UFPB, Marinalda Palmeira, a profa. do Departamento de Ciência da Informação da UFPB, Ana Cláudia Córdula, e a profa. do curso de Medicina da UFPB, Adriana Queiroga Sarmento Guerra, e a colunista Messina Palmeira.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas