Início Geral

An?lise de custos de materiais escolares de col?gios privados aponta itens irregulares

A Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) já está avaliando as planilhas de custos das escolas privadas da Capital que definiram o percentual de aumento para a mensalidade escolar em 2015, como resultado da Mesa de Diálogo realizada nesta terça-feira (11) com o Sindicato das Escolas da Rede Privada da Paraíba e os representantes de 49 estabelecimentos de ensino.

Leia mais Notícias no Portal Correio

A média de reajuste, segundo o secretário Helton Renê, está em torno de 10%, variando de acordo com o que cada estabelecimento oferece em estrutura. “Na análise da planilha, avaliamos também, além do custo operacional padrão, o custo-benefício que cada instituição oferece ao alunado. Por isso, o índice de aumento não pode ser unificado, pois depende dos investimentos feitos para a educação global do estudante”, esclareceu.

O encontro também definiu quais os itens da lista de material que não podem ser solicitados aos pais pelas escolas, bem como a proibição de indicar livrarias para a compra dos produtos. “A escola não pode dizer onde os pais devem comprar esse material, e, caso o estabelecimento de ensino disponibilize alguns itens, esses devem ser em um preço mais barato. Mesmo assim, a instituição não pode condicionar a venda à matrícula, porque cerceia a liberdade de escolha do consumidor, o que é proibido por lei, como está previsto no artigo 6º do Código de Defesa do Consumidor”, informou.

As unidades que ainda não entregaram a planilha ao Procon-JP têm até a próxima sexta-feira (14) para enviarem a documentação.

Inadimplência

As Mesas de Diálogos são oportunidades para esclarecer alguns pontos polêmicos à luz da legislação. Um deles é o artigo 5º da lei 9870/99, que dispõe expressamente que as instituições de ensino não são obrigadas a renovar a matrícula de aluno em situação de inadimplência, embora os contratos devam ser mantidos até o seu término, sem que o aluno sofra quaisquer sanções. “Um dos assuntos recorrentes durante a reunião foi à questão da inadimplência. A renovação da matrícula do inadimplente será feita mediante pagamento ou negociação da dívida, com a instituição não podendo se recusar a fornecer histórico e demais documentações referentes ao ano letivo cursado se o aluno sair da escola”, afirmou Helton Renê.

No encontro ficou esclarecido, ainda, que não se pode cobrar taxas de multas por mensalidade atrasada acima do que prevê o artigo 52 do CDC, que não pode ser superior a 2% do valor mensal. “No caso de atraso no pagamento, o estabelecimento de ensino poderá cobrar a correção monetária, de acordo com os índices oficiais e juros de mora, limitados a 12% ao ano, segundo a legislação”, disse o secretário, alertando que as escolas devem deixar as planilhas à disposição dos pais e alunos em local visível.

Confira os itens considerados irregulares na lista de material escolar:

– álcool e algodão;
– Balões, bolas de sopro e plástico bolha;
– bastão de cola quente;
– botões, cotonete, maquiagem e latejoulas;
– carimbo, clipes, envelopes, estêncil, fita dupla face, fita durex (inclusive colorida), fita para impressora, flanela, grampeador e grampos, toner para impressora e material de escritório sem uso individual;
– copos descartáveis, lenços descartáveis, pratos descartáveis, sacos plásticos, talheres descartáveis, sabonete líquido e material de limpeza em geral;
– creme dental (exceto no envio diário na bolsa do aluno para seu uso exclusivo);
– caneta para quadro, marcador para retroprojetor, piloto para quadro branco, giz branco e colorido;
– palitos para churrasco, palitos para dente e palito de fósforo;
– papel contato, papel ofício (exceto colorido) e papel higiênico;
– medicamentos.

Palavras Chave

Portal Correio

Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será revelado.

publicidade
© Copyright 2021. Portal Correio. Todos os direitos reservados.