UFPB (Foto: Rafael Passos/Jornal Correio da Paraíba)

Bandido faz arrastão na UFPB e alunos questionam insegurança

Em contato com o Portal Correio, alunos da instituição reclamaram a falta de policiamento no local

436
COMPARTILHE

Alunos do Centro de Educação e da Central de Aulas da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em João Pessoa, foram vítimas de um arrastão nessa quarta-feira (18). De acordo com alguns estudantes, a atuação de criminosos ocorreu dentro de sala de aula e também em paradas de ônibus do Campus I. A prefeitura da instituição encaminhou nota à imprensa onde só confirma o crime em uma sala de aula.

Segundo a nota enviada, o arrastão ocorreu na sala 219 do CCSA. A professora estava dando aula quando um homem bem vestido, com roupa social (calça cinza e camisa verde), fechou a porta, mostrou a arma e anunciou o assalto, levando os pertences dos alunos.

Conforme o prefeito João Marcelo, o policiamento da base de segurança da UFPB e a Polícia Militar, além da equipe de segurança privada foram chamados para a ocorrência e fizeram rondas na área na tentativa de identificar os suspeitos. Os telefones roubados também estão sendo rastreados.

O prefeito lamentou o fato. “Nós que fazemos a Prefeitura Universitária lamentamos o ocorrido nos solidarizando com as vítimas e nos colocamos à disposição para esclarecimentos adicionais. Já marcamos uma reunião para amanhã, visando discutir tecnicamente o ocorrido e verificar medidas de salvaguardar os servidores e estudantes, ou seja, toda a comunidade universitária”, disse.

Alunos reclamam a falta de policiamento

Em contato com o Portal Correio, alunos da instituição reclamaram a falta de segurança no local. Segundo algumas denúncias, o posto existente na instituição geralmente não tem guardas. Eles reclamam a falta de segurança nas paradas de ônibus, principalmente para os estudantes que frequentam a UFPB à noite.

Apesar de o prefeito universitário ter dito que a direção do centro onde aconteceu o arrastão acionou o Batalhão Ambiental, a Polícia Militar explicou à redação que não cabe à instituição realizar policiamento no campus, já que aquele é um espaço de responsabilidade federal. “Talvez, por não ter conseguido contato com a Polícia Federal, a universidade tenha pedido apoio à Militar. Mas o acompanhamento diário não cabe à PM, e sim a uma empresa de segurança privada”, informou a assessoria.

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas