Beach Soccer atrai jovens e se fortalece na Paraíba

18
COMPARTILHE

Com o objetivo de descobrir novos talentos e fortalecer a prática do beach soccer nas escolas a Federação Paraibana de Beach Soccer vai começar o segundo semestre do seu calendário de 2016 com um torneio seletivo que tem como meta principal definir a Seleção Paraibana que vai disputar a Copa Brasil Escolar que está programada para o período de 12 a 17 de julho, em Natal.

Leia mais notícias de Esportes no Portal Correio

Em João Pessoa, o torneio seletivo será disputado por oito clubes – Gama /Clube Maníacos, Palmares / Projeto Gol de Vida, Palmeiras/Escolinha de Futebol Bola na Rede,Colibri/Marisol, Associação Atlética Moroni, SEP Paraíba, CCCLB do Alto do Mateus e Porto de Cristo-Jacaraú/Fênix – nos dias 2 e 3 de julho. Logo depois será anunciada a Seleção Paraibana que vai para a Copa Brasil.

Apesar de o torneio seletivo ser realizado por clubes, todos terão que colocar nos seus elencos atletas nascidos em 1999, 2000 e 2001, e que estejam obrigatoriamente matriculados na rede de ensino da Paraíba (escolas públicas e privadas). O critério adotado tem como meta levar a prática do beach soccer para as escolas.

“Depois de uma reunião com diretores, técnicos e amigos ligados ao beach soccer, sentimos a necessidade de levar esse esporte para as escolas e realizar mais eventos nesse segmento. Vamos começar agora em julho e partir para torneios escolares dentro do nosso próximo calendário”, disse Ailton Cavalante, presidente da Federação Paraibana de Beach Soccer.


Torneios para atrair mais alunos

A Federação Paraibana de Beach Soccer – FPBS – em parceria com os clubes e colégios do Estado já realizou torneios com o objetivo de atrair mais alunos para o beach soccer, mas a falta de patrocinadores tem dificultado novas ações para que o segmento escolar ganhe força nesta modalidade.

Apesar das dificuldades, o presidente da FPBS, Ailton Cavalcante, realizou eventos abertos, mas fortalecendo as categorias de base para levá-las para as escolas. “Nas reuniões que participamos em nível nacional, sempre foi mostrado o interesse em fortalecer o nosso esporte nas escolas. Aqui enfrentamos dificuldades, mas mesmo assim realizamos torneios abertos, mas exigindo que o aluno esteja matriculado na escola. Acredito que seguindo esse caminho e agora com o surgimento da Copa Brasil Escolar, vamos ganhar força”.


Projeto Garoto Cidadão valoriza a base

De acordo com o Correio Online, a Federação Paraibana de Beach Soccer tem um ‘Projeto Garoto Cidadão’, que trabalha com crianças e o adolescentes. Ele foi criando em 2006 e vem sendo executado com muitas dificuldades, por conta da ausência de patrocinadores e da procura que aumentou de forma considerável.

“No inicio contávamos com o trabalho voluntário dos professores, Isaias Isidro, Cássio Freire, Rubens Alexandre, Rivaldo Lins e de Ademar Neto. Fruto deste trabalho inúmeros jogadores foram revelados para a modalidade, e que até hoje continuam brilhando no Brasil e outros países, a efeito do Robinho, Raoni, Raniery, Reyder, Douglas, entre outros. Hoje estamos resumidos a dois profissionais, Isaias Isidro e Cassio Freire, que primam pela inclusão da juventude em suas equipes. Isso vem alimentando e fortalecendo a modalidade durante estes anos, também de olho no crescimento do beach soccer nas escolas, disse Ailton Cavalcante.


As principais regras do beach soccer

Três períodos de 12 minutos

As partidas de beach soccer dividem-se em três períodos de 12 minutos cada, separados por dois intervalos de três minutos. É importante destacar que o cronómetro para quando há golo, infrações ou lesões, ou quando os árbitros entendem que uma equipa está a perder tempo. Quando a bola está em jogo, o período só é finalizado depois de a jogada em curso ser concluída.


Não há empate!

Em uma partida de futebol de praia, é possível ganhar ou perder, mas nunca empatar! Em caso de empate, o regulamento determina um prolongamento de três minutos. Caso o empate persista, há uma disputa de pênaltis, que também tem algumas particularidades: cada equipa cobra três castigos máximos e se nem isso desfizer o empate, passa a ser resolvido com morte súbita. No entanto, o vencedor das grandes penalidades ganha apenas um ponto e não três como habitualmente.


Substituições ilimitadas

Cada equipe começa com cinco jogadores — um goleiro e quatro jogadores de linha — e sete reservas à disposição para uma quantidade ilimitada de substituições. Todas as substituições, inclusive a do goleiro, podem ser feitas durante o decorrer da partida, o que acontece em uma área delimitada. Este é um aspecto importante da estratégia de um jogo.


Punições disciplinares

O jogador expulso, seja por dois cartões amarelos ou por ver cartão vermelho direto, pode ser substituído, mas somente depois de cumpridos os dois minutos de penalização impostos pela infração, ou antes caso a sua equipa sofra um golo enquanto estiver em inferioridade numérica. Os jogadores não têm um limite de faltas predeterminadas.

Particularidade dos guarda-redes

Os guarda-redes têm uma área onde podem se mover livremente com a bola nas mãos. A diferença com relação às outras modalidades de futebol é que essa área vai de uma linha da lateral à outra. Como qualquer jogador, o guardião tem quatro segundos para pôr a bola em jogo, mas somente usando as mãos. Por outro lado, não pode marcar golos dessa forma, nem chutando a bola sem deixá-la bater primeiro na areia. É importante realçar que o guarda-redes não pode voltar a receber a bola de um companheiro, a menos que algum adversário a tenha tocado. Se esta regra não for cumprida, a equipa adversária ganha um livre.


Um livre direto… Muito direto!

Todas as infrações são castigadas com um livre direto, tão direto que não existe barreira! A bola é colocada no lugar da falta, salvo no caso de pênalti (em que deve ser colocada na marca de pênalti) ou ainda de demora para soltar a bola, segundo atraso ao guarda-redes ou saída de jogo do guardião com a bola no pé, casos nos quais é colocada na linha intermediária. Um detalhe não menos importante: a cobrança deve ser executada pelo jogador que sofreu a infração, a não ser que ele tenha saído lesionado.

E por via das dúvidas…

Ao contrário do futebol de campo, mas tal como no futsal, no beach soccer NÃO é permitido marcar golo direto no toque inicial e NÃO existe a regra do fora-de-jogo. No entanto, há uma característica que faz do beach soccer uma especialidade única: os lançamentos podem ser feitas com os pés ou com as mãos.

Leia
mais notícias
em portalcorreio.com.br, siga nossas
páginas no
Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no
Youtube. Você também
pode enviar
informações à Redação
do Portal Correio pelo
WhatsApp (83) 9 9130-5078.

 

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas