Boi de Reis e Maculel? encerram programa??o de cultura popular em Tamba?

15
COMPARTILHE

O último dia de programação de cultura popular do Extremo Cultural – Onde o Som Toca Primeiro no Largo da Gameleira, em Tambaú, neste sábado (31), traz a apresentação do Boi de Reis Estrela do Norte, do Bairro dos Novais, e o Maculelê do Grupo de Capoeira Angola Comunidade, de Oitizeiro. As atrações, gratuitas, começam às 17h.

Leia mais notícias de Entretenimento no Portal Correio

Boi de Reis

Comandado por José Vicente do Nascimento Pereira, o Mestre Pirralhinho, da quinta geração de brincantes, o Boi de Reis Estrela do Norte apresentará ao público personagens que, desde a história medieval, compõem o imaginário religioso e pagão da cultura ocidental.

Fundado há 18 anos e hoje com 35 integrantes, o grupo foi inspirado no bisavô de Pirralhinho, Mestre Lino Ventura, que brincava em Bayeux, na Grande João Pessoa, e ensinou a João do Boi, o seu avô. De geração em geração, o folguedo, de origem portuguesa, entrosa filhos, genros, noras, primos e netos. Pirralhinho começou a brincar aos 5 anos, como “Mateus”, com o Mestre Gasosa, já falecido. “Hoje me orgulho em representar o único grupo folclórico da região, que faz as próprias vestimentas e figuras dos brincantes”, pontua.

Inspirado no boi de reis do Nordeste, o folguedo se desdobrou em boi-bumbá, ou bumba-meu-boi, e se difundiu pelo Brasil de acordo com os processos de colonização e povoamento dos estados, por ocasião da construção da estrada de ferro Madeira-Marmoré. Adaptou-se às condições locais e à indumentária e letras do universo indígena.

Insere-se no ciclo natalino, junino ou mesmo carnavalesco e, na ampla variedade de suas encenações, o tema da morte e ressurreição emergem. Em torno do episódio dramático, agregam-se vários personagens, como galantes e damas, o Mateus, o cavalo e a Jaraguá. “O boi é o resgate da nossa cultura de origens”, resume Tony Silva, o primeiro galante. A apresentação também convida o público à dança no ato final.

Maculelê

O maculelê é uma manifestação cultural nascida na cidade de Santo Amaro da Purificação (BA), berço também da capoeira. É uma expressão teatral que conta, através da dança e de cânticos, a lenda de um jovem guerreiro, que sozinho conseguiu defender a sua tribo de um ataque rival usando apenas dois pedaços de pau, sagrando-se, por fim, herói.

A sua origem é controversa. Uns atribuem à África, outros aos índios brasileiros, ou mesmo à mistura dos dois. Mestre Popó, tido como pai do maculelê, credita à arte guerreira é um legado escravista. A lenda em torno do seu surgimento também comporta várias versões. “Numa delas, conta-se que Maculelê era um guerreiro, que por questões de obrigações religiosas, não pôde acompanhar os demais numa missão de caça. A sua aldeia foi atacada por uma tribo inimiga e ele morreu lutando, armado de maculelês. Acabou ressuscitado graças às orações de um feiticeiro”, conta Emilson Ribeiro, coordenador da Divisão de Cultura Popular da Funjope.

O maculelê é comandado pelo Mestre Naldinho, um dos mais velhos em atuação na cidade, no Angola Comunidade desde 1980 e formado na Ilha de Itaparica (BA). Ele conta que a arte guarda uma ligação direta com os cultos de matriz africana. “O maculelê utiliza técnicas de esgrima europeia, utilizando bastões, pedaços de cana e facões no lugar de espadas. Um dos seus grandes disseminadores foi ninguém menos que Nelson Mandela, quando estava preso”, informa.

Considerada uma festa “profana” realizada pelos escravos e demais negros forros, por muito tempo, o maculelê foi apresentado nas ruas e praças de Santo Amaro da Purificação e demais cidades do Recôncavo Baiano nos dias de festa da padroeira: 8 de dezembro (consagração de Nossa Senhora da Conceição) e 2 de fevereiro (dia de Yemanjá).

Em respeito à Legislação Eleitoral, o Portal Correio não publicará os comentários dos leitores. O espaço para a interação com o público voltará a ser aberto logo que as eleições de 2018 se encerrem.

Notícias mais lidas